Como está o seu balanço energético?

 

O estado nutricional, no plano físico e biológico, resulta do equilíbrio entre consumo alimentar e gasto energético do organismo. O balanço energético então, nada mais é que o equilíbrio obtido a partir do total de energia ingerida e o total de energia gasta pelo organismo, em suas atividades diárias.

Quando a quantidade de energia (calorias) ingerida através dos alimentos é maior do que aquela que o organismo gasta com seu metabolismo basal somado às atividades físicas diárias diz-se que há um balanço energético positivo e a pessoa acumula gordura corpórea.

Calorias (kcal) é a unidade de medida da energia gasta pelo corpo humano, em suas atividades metabólicas e físicas, e do teor de energia encontrado nos alimentos. Se a alimentação fornecer mais energia do que é requerido pelo organismo, a parte excedente acumula-se na forma de gordura corporal.

As necessidades nutricionais de energia variam em função da idade, do sexo, do estado de saúde, do estado fisiológico, do nível de atividade física e do número de horas de trabalho.

Esses gastos referem-se à utilização dos alimentos pelo organismo, para suprir as necessidades nutricionais, relacionando-se ao estado de saúde e à capacidade de aproveitamento dos nutrientes fornecidos pela alimentação.

Para um adequado estado nutricional, o consumo alimentar deve estar em perfeito equilíbrio com o gasto da energia (usada para as funções vitais e as atividades físicas diárias).

Isso significa que, se a pessoa não ingerir menos alimentos ou não aumentar a atividade física, ganhará peso, principalmente pelo acúmulo de gordura, levando ao sobrepeso ou à obesidade, ao longo do tempo.

Portanto tudo é uma questão matemática para o controle de peso. O raciocínio básico para a equação do balanço energético deve ser levado em consideração antes de uma pessoa ter um plano alimentar para modificar favoravelmente o peso corporal e a sua composição de massa.

A manutenção do peso e da composição corporal segue a regra que a ingestão de energia e macronutrientes devem ser equivalentes ao gasto de energia e a oxidação de macronutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas), como podemos verificar.

 O gasto energético diário pode ser dividido em 03 componentes principais: taxa metabólica basal (TMB), efeito térmico dos alimentos (ETA), atividade física (AF).

A taxa metabólica basal corresponde à quantidade de energia necessária para manter a funcionalidade dos órgãose sistemas do organismo, e a temperatura corporal constante.

A TMB está relacionada ao tamanho do indivíduo, portanto, a massa magra tem grande importância nesse componente do  gasto energético diário. Este conceito pode justificar as tentativas em explicar a redução da gordura corporal por meio do aumento da massa magra.

O efeito térmico dos alimentos (ETA) em indivíduos que consumem uma dieta balanceada, é cerca de 10% de sua necessidade calórica diária é gasta no processamento dos alimentos digeridos (ex. digestão e absorção).

Algumas vezes a composição da dieta é alterada para privilegiar nutrientes que demandem maior gasto calórico em seu processamento orgânico, como ocorre com a elevação da proporção na ingestão de proteínas em relação ao total calórico consumido.

A atividade física compreende todo o gasto calórico acima da TMB relacionado à movimentação voluntária dos músculos. Este é o componente do gasto calórico diário que mais varia entre os indivíduos.

Vamos ficar atentos para o equilíbrio do nosso balanço energético.

Alcimara Macieira

CRN: 4284

Nutricionista – Clinlife

 

Quer emagrecer? então relaxe!

 

O estresse afeta diretamente o indivíduo; estando ligado a compulsão alimentar. O fato de não conseguir relaxar faz toda diferença na hora de obter ou não sucesso na execução da dieta; fazendo com que muitos não emagreçam e assim se sentem desanimados e sem força para continuar seus objetivos.

No processo de emagrecimento é de suma importância estar também em acompanhamento psicológico para que este possa ser ajudado a lidar com seus pensamentos, atitudes e emoções e fazer com que o individuo perceba que a alimentação é uma atividade natural de sobrevivência e não uma “recompensa” ou uma forma de obter prazer.

Hoje em dia ouvimos muito que as pessoas não têm tempo pra nada, que não param nem para comer! A rotina corrida faz com que o estresse apareça e com que a saúde desapareça.

Não encontram tempo para curtir um almoço ao lado da família, relaxar, sair com os amigos e muito menos para praticar atividades físicas. Assim, acaba-se adquirindo peso! Devemos prestar atenção em como anda nossa qualidade vida, pois se queremos emagrecer, esta ligada ao controle de peso! Então: fique de olho!

Ter um plano alimentar equilibrado, praticar exercícios físicos e cuidar da mente por meio de algum tipo de relaxamento ou lazer que lhe dê prazer e que te mobilize a “sair do lugar”, são as melhores maneiras de se ter uma melhor qualidade de vida!

 

Adrielle Ferreira

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/38423.

A articulação do joelho na obesidade

A pessoa que possui Obesidade por muitos anos de sua vida pode acarretar vários malefícios para suas articulações. Uma articulação que pode ser muito prejudicada nas pessoas com o peso elevado é a articulação dos joelhos.

O Joelho é uma articulação complexa que é composta por vários ligamentos, tendões, cartilagens e músculos. Sendo que os músculos e os ligamentos são os principais responsáveis por estabilizar o joelho. Com a obesidade, o joelho fica sobrecarregado em diversos aspectos. O excesso de peso faz com que a sobrecarga no joelho seja maior devido a impacto que ocasiona.

O peso elevado acontece constantemente com sua composição corporal constituída de excesso de gordura e pouca massa magra (musculatura). Quando se possui pouca musculatura para estabilizar os joelhos você exige muito mais dos outros componentes que compõem a articulação.

Por isso, alem de manter um peso adequado, precisamos fazer com que a composição corporal seja constituída de muita massa magra e muito menos gordura corporal. E com isso,  seu joelho ficará muito mais estável. Além disso, você irá prevenir lesões no local, manter a saúde de seu joelho em dia e não ter dores em nessa articulação.

Richardson Siqueira

Educador Físico Clinlife

CREF 01838-7

Associação da deficiência de vitamina D com doenças crônicas e obesidade

Atualmente vem se falando muito sobre a deficiência de vitamina D (colecalciferol) e sua associação com a saúde. As principais doenças crônicas relacionadas com sua deficiência são obesidade, diabetes melito tipo 2  e hipertensão arterial.

 

A deficiência dessa vitamina pode afetar a resposta insulínica ao estímulo da glicose, o que em longo prazo pode culminar em aparecimento de diabete melito do tipo 2 devido a hiperglicemias constantes.

 

Em indivíduos obesos são freqüentemente observadas níveis de vitamina D abaixo do ideal. Isso pode ser devido ao fato da menor exposição solar em obesos e principalmente ao depósito de vitamina D nos adipócitos (células que armazenam gordura) o que resulta no aumento da sensação de fome e na diminuição do gasto energético.

 

O aumento do nível sérico de vitamina D está diretamente ligado à redução dos níveis na pressão arterial. Estudos recentes têm mostrado que o risco de desenvolver doenças cardiovasculares é maior em indivíduos com deficiência de vitamina D.

 

A principal fonte de vitamina D é a cutânea (pele) quando exposta a luz solar, porém essa forma primária da vitamina D é inativa.

 

Após essa exposição a vitamina D é transportada para o fígado onde será metabolizada por uma enzima para se tornar ativa.

 

Lembrando que o tempo de exposição pode variar de acordo com a tonalidade da pele, já que as peles mais escuras são mais resistentes a filtração dos raios solares.

 

A fonte alternativa muito utilizada atualmente é a suplementação de vitamina D para aqueles indivíduos com pouca exposição solar, cujo exame de sangue tenha evidenciado deficiência da mesma.

 

Temos também as fontes alimentares que contribuem menos (em torno de 10%) no estoque de vitamina D no organismo. Dentre elas, podemos destacar o leite, ovos e peixes.

 

Portanto, garanta já seu estoque de vitamina D. Faça também um check-up de rotina e use suplementos apenas sob orientação médica.

 

 

Fernanda Rocha Andrade

Nutricionista Clinlife

CRN 11.100

Reconhecendo o seu lado bom!

Você sabe dizer quais são suas maiores qualidades? Algumas pessoas reagem estranhamente ou se assustam quando se deparam com essa pergunta. Existe uma enorme dificuldade em falar sobre o que temos de bom, “pode parecer egocentrismo” pensam uns, “ah não paro muito para pensar nisso”, dizem outros, mas a frase mais comum é “os defeitos são tão mais fáceis de dizer”.

Segundo o dicionário Michaelis a palavra “qualidade” no sentido que estamos usando nesse post significa atributo, condição natural, propriedade pela qual algo ou alguém se individualiza, distinguindo-se dos demais; maneira de ser, essência, natureza.

Pensando dessa forma, nossas qualidades seriam características que nos tornam seres únicos e que nos destacam de forma positiva.

E por que é tão difícil enxergar esse lado positivo? Reconhecer quais características nos são mais marcantes faz parte de uma proposta de autoconhecimento essencial na constituição da nossa autoestima.

Algo está errado quando não assumimos para nós mesmos e para o outro o nosso lado bom. A crença de que falar de si mesmo é mal interpretado socialmente circula por nossos pensamentos e altera a percepção que temos de nós mesmos.

Ter receio de falar sobre nossas qualidades ou mesmo não saber quais são podem levar a comportamentos de auto-desvalorização. Se não vemos nada de bom em nós mesmos que sentido faz nos cuidar, nos proporcionar uma vida melhor? Afinal só cuidamos do que gostamos e reconhecemos como importante. Dificilmente ter a percepção de um ser cheio de defeitos nos levará a nos comportar para buscar melhorias, “pau que nasce torto morre torto”.

O primeiro passo para iniciar um processo de auto-reconhecimento deve ocorrer na nossa forma de pensar; em como nos vemos, principalmente.

Portanto, só conseguimos nos empenhar em qualquer tipo de mudança, se, primeiro, reconhecermos o que é preciso melhorar e quais as ferramentas – qualidades- temos para alterar a condição atual.

Nossas qualidades são nosso ponto de apoio, sem elas, não há mudança possível. Então comece a pensar o que você tem de bom que pode te ajudar nessa caminhada?

Se mesmo assim estiver difícil de responder, seguem algumas dicas:

1 – Quais atividades eu me saio bem?

2 – O que meus amigos ou pessoas mais próximas dizem a meu respeito?

3 – Que conquistas eu tenho até o momento? O que foi preciso para eu conseguir alcançá-las?

Iana Pechir

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/35355

KOUBO: EMAGRECIMENTO E PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO PRECOCE

KOUBO: A FRUTA QUE AUXILIA NO EMAGRECIMENTO E PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO PRECOCE

 

 O Koubo ou Pitaya é uma opção natural para quem busca emagrecer de forma rápida, segura e muito saudável.

Sua eficiente ação emagrecedora foi comprovada e certificada através de inúmeros testes, que comprovam os seguintes benefícios proporcionados pelo seu consumo:

  • Emagrecimento rápido e seguro
  • Previne obesidade e excesso de peso
  • Muito eficaz contra a gordura abdominal
  • Inibe vontade de comer doces
  • Proporciona saciedade
  • Auxilia na diurese
  • Combate ao colesterol ruim (LDL)

O Koubo é rico em fibras, proteínas, vitamina C, aminoácidos, ácidos graxos, além das substâncias responsáveis pela sensação de saciedade: tiramina e n-metiltiramina.

Contudo, vale ressaltar que ele não pode ser consumido por diabéticos, por ser uma fruta com alto índice glicêmico (açúcares).

Totalmente natural, o Koubo é hoje um dos componentes de emagrecimento mais procurados do mundo, pois é uma alternativa mais saudável e com menor preço acessível.

O Koubo é patenteado, cadastrado na ANVISA e possui as principais autenticações farmacêuticas, tendo assim a sua qualidade e eficiência comprovadas para trazer o bem- estar e boa forma a todos aqueles que desejam emagrecer com eficiência e saúde.

Amanda Batista Neves

Nutricionista Clinlife

CRN 8070

COMO TORNAR SUAS PREPARAÇÕES MAIS SAUDÁVEIS!

 

Muito se houve falar sobre a importância de preparar pratos mais leves e saudáveis, mas nem sempre temos a consciência de que os antigos e sutis maus hábitos podem comprometer a preparação ou a própria receita.

Algumas dicas são valiosas na hora de ir para a cozinha preparar suas refeições que podem ser de um simples sanduíche natural a receitas mais sofisticadas.

Organizar o ambiente com os utensílios a serem utilizados e ter à mão todos os produtos e ingredientes bem próximos facilita e motiva a prática.

O cuidado deve incluir panelas que não contaminem os alimentos com metais tóxicos como o alumínio bem como colheres para mexer os alimentos.

A dica é trocar as panelas por outras de vidro ou ferro e as colheres por aquelas de silicone, as conhecidas vasilhas de plástico por outras de vidro.

As preparações podem se tornar mais saudáveis quando substituímos a farinha de trigo branca por uma porção da de trigo integral, o açúcar branco pelo adoçante culinário ou açúcar mascavo, leite integral por desnatado dentre outros produtos diet e light, diminuindo assim o valor calórico das preparações.

Outra dica interessante é substituir o molho de tomate por uma pequena porção de beterraba ralada, sem falar dos temperos que ajudam a diminuir o consumo de sal além de dar aquele toque especial aos pratos.

Os alimentos mais frescos além de saborosos trazem benefícios a mais para a saúde, então que tal introduzir mais frutas, legumes e vegetais à sua dieta, substituindo assim ao máximo os alimentos processados e industrializados?

Com isso suas preparações ficarão mais leves e saborosas e você conseguirá emagrecer e fazer a manutenção do peso sem perder o prazer de um bom prato.

Jaqueline dos Anjos de Abreu

Nutricionista Clinlife

CRN 4632

Por que eu só digo SIM?

Vivemos em um mundo, no qual dizer Sim, se tornou quase uma lei. As pessoas se esqueceram de suas próprias vontades, opiniões, e até limites para agradar ao outro.

A família, o namorado, o marido, o amigo, o vizinho estão sempre vindo em primeiro lugar, e o ser – humano mais importante da sua vida; você mesmo, está em último no ranking, as vezes nem aparece.

O senso comum nos prega que pensar em nós é egoísmo, prepotência ou arrogância. Será mesmo?

Pensar em nós em primeiro lugar é a essência da vida, é o que nos cura de stress, ansiedade, tristezas e acúmulo de tarefas, causadas pelo excesso do Sim.

Como podemos ajudar aos outros se nós mesmos não estamos bem?

Vamos cuidar da nossa casa para depois irmos visitar a de nossos entes queridos.

Para começar este desafio de dizer não, vamos começar com um simples exercício;

Escolha um dia da semana para dizer não, para fatos que realmente você não queria fazer. Após esta dura lição, consequentemente vamos tendo mais segurança e firmeza em nossas decisões.

Boa sorte!

Adrielle Ferreira

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/38423.

 

Envelhecimento Celular e Alimentos Antioxidantes

 

Em 1956, foi criada pelo doutor Denham Harman a teoria do envelhecimento, que diz que ele é causado pela toxicidade no organismo gerada pelo excesso de radicais livres.

Em um indivíduo saudável, em condições normais, existe um equilíbrio entre a produção dos radicais livres e sua neutralização pelos sistemas antioxidantes. No entanto, tem sido cada vez mais comum na dieta cotidiana a ingestão excessiva de alimentos pró inflamatórios – que aumentam a produção desses radicais livres, além da exposição a fatores externos como poluição ambiental, estresse e tabagismo. Associado a isso, temos ainda uma baixa ingestão de alimentos antioxidantes – os campeões no combate ao envelhecimento celular.
Alguns estudos mostram também que o excesso de radicais livres e a deficiência de antioxidantes, além do envelhecimento celular, pode levar ao aparecimento de alguns tipos de câncer e doenças cardiovasculares.

Por isso, se você deseja retardar o processo de envelhecimento, inclua na sua alimentação os alimentos antioxidantes:

  • Frutas cítricas
  • Castanhas
  • Peixes
  • Frutas vermelhas
  • Açaí
  • Açafrão
  • Aveia
  • Abacate
  • Linhaça
  • Óleo de coco

Evite:

  • Cigarro
  • Bebidas alcoólicas
  • Açúcar
  • Farinha branca
  • Gorduras hidrogenada
  • Embutidos
  • Carne vermelha em excesso

E não se esqueça de associar isso a hábitos de vida saudáveis, como a prática de atividade física.

Karoline Martins

Nutricionista – Clinlife Brasília

CRN 5616

Porque emagrecer é tão difícil?

 

Emagrecer é um desafio, mas se na primeira dificuldade você já desiste, você nunca chegará ao seu objetivo e ficará cada vez mais frustrado e com a autoestima mais baixa. Nossos sentidos como o olfato, a visão percebem estímulos que agem de forma significativa influenciando na saciedade que é sentida por nosso cérebro. Sendo assim é responsável pela fome e bem estar quando estamos perto de algum alimento.

Estamos entrando no outono, a temperatura esta mais fria, automaticamente nosso corpo pede mais comida em resposta à fome que sentimos pelo corpo precisar de mais energia para manter sua temperatura.

Intencionalmente justificamos nossas condutas “erradas” da seguinte forma: “Só hoje!”, “Começo a dieta na segunda feira”. E aí vamos incluindo em nossa rotina diária frituras, doces, bebidas alcoólicas. Alimentos calóricos que não estavam previstos e que acabam prejudicando a dieta; surgindo aí o desânimo e a sensação de “eu não consigo”.

Sendo assim, não existe uma fórmula mágica ou uma fórmula para todos. Não adianta dietas malucas, já que você não vai fazê-la para sempre. É preciso mudar o percurso dessa história! É mudança de hábitos. É ter disciplina, equilíbrio emocional e largar de vez aqueles hábitos alimentares ruins que te acompanham desde a infância. É abrir as portas do seu coração e da sua vida para um novo estilo de vida!

Incorporando uma reeducação alimentar e um novo estilo de vida, além de um corpo mais magro, a saúde melhora e o bem estar é muito maior. Assim, diminuindo o quanto comemos caloricamente retardamos o envelhecimento, aumentando a longevidade, prevenindo doenças e vivendo muito melhor!

E então, vamos comer menos e viver mais? Vamos procurar outra fonte de prazer, não apenas nos alimentos! Você só tem a ganhar!

Adrielle Ferreira

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/38423.