EMAGRECER MALHANDO… É POSSÍVEL?

O Ministério da Saúde (2012) comprovou que há um número muito grande de pessoas inativas, tendo por média 14% dos brasileiros adultos, ou seja, 18 milhões de pessoas totalmente sedentárias no país. Estudos verificam 26.9% e 27.7% de sobrepeso para homens e mulheres e 10,2% e 14,7% de obesidade para homens e mulheres, respectivamente.

O sedentarismo junto com maus hábitos alimentares tem total influência para o acúmulo excessivo de gordura corporal, e por conseqüência adquirir um estado de obesidade.

A obesidade é denominada como o aumento excessivo de gordura corporal pelo corpo todo e quando extrapolam os porcentuais de gordura de seu peso total. Tendo como estabelecido em 20% de gordura para os homens e 30% de gordura para as mulheres. Está associada a várias doenças, como enfermidades cardiovasculares (e seus fatores de risco hipertensão e hiperlipidemias), diabetes mellitus e certos tipos de câncer.

Estudos apontam que o nível de atividade física é dentre outros fatores, um dos mais importantes para prevenção e tratamento da obesidade, e sendo assim, não restam dúvidas, que quando bem sistematizado, torna-se fundamental para contribuir no emagrecimento.

De uma forma global, ao deixarmos de lado os objetivos atléticos, observa-se que há um grande número de pessoas procurando as academias, visando a priori uma preparação física, pois, vem sendo pelos estudiosos cada vez mais indicado o treinamento de força, por que este, além de induzir o aumento de massa muscular, a musculação contribui para a aptidão física, melhora da capacidade metabólica, estimulando a redução da gordura corporal; aumento de massa óssea, leva a mudanças extremamente favoráveis na composição corporal; propiciam as adaptações cardiovasculares necessárias para os esforços curtos repetidos e relativamente intensos; melhoram a flexibilidade e a coordenação, além de contribuir para evitar quedas em pessoas idosas e no caso de pessoas obesas, visa o aumentando do metabolismo basal, proporcionando o aumento do gasto calórico e reforçando as articulações, reduzindo o risco de lesão durante o treino aeróbio, além de possibilitar ao obeso uma vida mais ativa, entre outros.

Alguns estudos mostraram que são necessários três a cinco horas semanais de exercícios físicos para a redução do peso corporal para a população com sobrepeso ou obesidade. Onde, é necessário um gasto calórico, através de exercício físico, de 300 até 2000 kcal por semana no intuito de maximizar a perda de peso corporal em longo prazo.

É possível reduzir a gordura corporal, sem diminuir o peso quando ocorre ganho de massa muscular. O aumento de massa muscular pode ser superior ao peso de gordura reduzido, levando ao aumento no peso corporal total. Assim, a ênfase no tratamento da obesidade deve ser na redução da gordura corporal, já que apenas a perda de gordura promoverá benefícios à saúde.

Para entender melhor sobre como acontece fisiologicamente o gasto calórico e o emagrecimento, deve-se ater a quais mecanismos levam a tais resultados metabólicos, por tanto, é necessário entender, que só “há três formas de se gastar calorias: a) as utilizadas no metabolismo basal, b) às necessárias para digerir alimentos, c) e as consumidas na contração muscular”, e que ao mensurá-las, observa-se que o metabolismo basal é responsável por cerca de 70% do gasto calórico, devido fazer parte das calorias destinadas para manter as funções celulares de todo organismo, porém, fica nítido que elevando a taxa de metabolismo basal, certamente elevar-se-á o gasto calórico e, com isso, contribuindo ainda mais para o emagrecimento.

Superficialmente, é correto afirmar que toda e qualquer atividade física, contribui para um emagrecimento, tendo em vista que todas provocam um gasto de calorias maior do que quando em repouso. Sendo assim, fica possível mencionar que o treinamento de força por agir significativamente no aumento de massa muscular, e consequentemente contribuir ainda mais com o aumento do metabolismo basal, vem ser um fator ímpar para o emagrecimento saudável, que estimam que o aumento de 1 a 3 kg de massa muscular pode levar, isoladamente, à perda de 1 a 2 kg de gordura por ano em função do aumento da massa muscular.

E com isso, vem-se comprovando que não somente o treinamento aeróbio contribui para o emagrecimento e que o TF além de contribuir para tal, pode evitar problemas relacionados com a perca de peso magro, o que é muito comum quando programa-se apenas com treinamento aeróbio.

O gasto energético da atividade de força não é tarefa simples, pois existem inúmeras possibilidades de combinações de exercícios, número de séries, intervalo de recuperação, número de repetições, velocidade de execução e carga, além de que, características individuais podem interferir, tais como: raça, gênero, idade, composição corporal e nível de aptidão física.

Confirma-se que com o TF quando periodizado, numa média de 03 a 05 vezes por semana, variando entre 08 a 15 exercícios, com 03 séries de 08 a 15 repetições dentre as intensidades de 60 até 80% de um 1RM, aproximadamente 01h/dia num período de no mínimo 08 semanas até 12 meses, pode acarretar melhorias mensuráveis para um emagrecimento saudável, tendo em vista, que proporciona uma diminuição da porcentagem de gordura corporal que varia entre 3,40%, podendo chegar até 19,08%, e ao mesmo tempo, pode manter, ou até elevar a massa magra em até 2.68%, (ACSM stand on progression models in resistance training for healthy adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, v. 34, n. 2, p. 364-380, 2002).

Para efetivar o programa de emagrecimento dentro do treinamento de força, pode-se aplicar o método de treinamento em circuito, alterando o volume do treinamento, aumentando a duração da sessão e ativando mais o sistema aeróbio, acarretando em um maior gasto energético durante o exercício, porém ainda dentro das características dos exercícios de força.

No treino de força este é o método que mais ativa o sistema aeróbio. O circuito pode trabalhar com maior predominância o sistema anaeróbio (podendo ser mais intenso) ou trabalhar bem o sistema aeróbio ou trabalhar ambos os sistemas em momentos distintos da mesma sessão de treino.

Tudo dependerá da montagem do circuito, podendo se adequar de acordo com a necessidade (objetivo) e gosto do praticante.

O circuito de musculação apresenta um gasto calórico abaixo do indicado. Contudo, o gasto calórico é dependente da composição corporal do indivíduo, mais especificamente a massa muscular. Sendo assim, conforme a massa muscular for sendo aprimorada com o treino, maior será o gasto calórico com a progressão do treinamento, além de que, se o gasto calórico for o objetivo principal, o treinamento deve ser totalmente montado para que ocorra o máximo de gasto calórico possível para seus praticantes. Com relação à prática do circuito de força para pessoas que apresentam complicações como os cardiopatas e hipertensos (muitos obesos apresentam estas patologias), o circuito parece ser um treinamento seguro e eficiente, desde que os indivíduos estejam devidamente medicados e liberados pelos médicos a praticarem atividade física.

Comprovadamente, a musculação é um excelente meio de reduzir o percentual de gordura, mas os benefícios não se resumem a isso apenas. O treinamento com pesos estimulará a síntese de proteínas musculares melhorando sua estética e as funções do aparelho locomotor. Além disso, os benefícios obtidos com o uso de exercícios resistidos serão mais duradouros, devido à manutenção e até mesmo elevação do metabolismo de repouso, que parece ser relacionado com a massa muscular.

A junção de exercícios físicos e dietas são mais eficientes para alcançar o equilíbrio calórico negativo, do que quando se utiliza apenas a dieta ou o exercício de forma isolada. Não é necessário nestes casos, buscar recursos cirúrgicos, farmacológicos e outros procedimentos alternativos que venham prejudicar a integridade física, de maneira invasiva, mas apenas, conscientização e integração mutua dos envolvidos, com determinação e disciplina certamente os resultados serão satisfatórios. O melhor caminho é buscar profissionais capacitados que possam auxiliar nesta função.

Laís Martins de Souza

Profissional de Educação Física Clinlife

CREF: 018564-G/MG

Metabolismo

METABOLISMO

 

Metabolismo é o conjunto de transformações que os nutrientes e outras substâncias químicas sofrem no interior do nosso corpo. Isso produz energia suficiente para mantê-lo funcionando. Para que as pessoas mais leigas possam entender esse conceito, podemos dizer numa linguagem mais clara e objetiva que metabolismo é a taxa com que o corpo queima calorias para se manter vivo.

O metabolismo divide-se em anabolismo (conjunto de reações que produzem compostos e substâncias a partir de componentes menores) e catabolismo (conjunto de reações que degradam as substâncias em componentes menores).

Para manter as funções vitais (respiração, batida do coração, temperatura corporal, etc.), o organismo gasta uma grande quantidade de energia. É o que se chama de metabolismo basal.  Então vamos entender um pouco mais sobre este metabolismo.

Metabolismo basal

Consiste na quantidade de calorias consumidas em vinte quatro horas por um indivíduo que se encontra em repouso absoluto e em jejum (de pelo menos 12 horas), sem haver dano nos órgãos internos do seu corpo.

É medido através do oxigênio consumido ou do dióxido de carbono libertado em um determinado intervalo de tempo. O metabolismo basal varia de acordo com o tamanho da pessoa (é maior quanto menor for a pessoa), da idade (é menor quanto maior for a idade), e do sexo (sendo um pouco menor no caso das mulheres).

Boa parte das pessoas que lutam contra os ponteiros da balança já culpou, pelo menos uma vez, o metabolismo “lento demais” pela dificuldade de emagrecer. De fato, algumas pessoas queimam mais calorias em um ritmo mais rápido que outras.

Há influência de diversos fatores no metabolismo, por exemplo, genética, idade, sexo, altura, peso, prática de atividade física, etc. O gasto de mais ou menos energia depende desses fatores. Por isso, algumas pessoas são magras e, mesmo comendo de tudo, não engordam. Enquanto outras enfrentam grandes dificuldades para conseguirem emagrecer.

Desta forma, as pessoas que tem naturalmente o metabolismo lento, podem contar com algumas alternativas para estimular acelerar o seu metabolismo. Veja cinco de várias opções para você turbinar o seu metabolismo.

 

 

1. Controlar a alimentação

Esse hábito nos ajudará a não sobrecarregarmos nosso metabolismo com um excedente de energia inutilizável (ou seja, excesso de alimentos). Utilize uma escala de alimentos ou xícaras para medir e identificar porções adequadas de cada um.

Outra opção é usar a própria mão como guia, ou seja, um punho equivalerá a uma porção de fruta, uma mão em forma de concha equivalerá a uma porção de cereais ou grãos, as duas mãos equivalem a uma porção de vegetais de folhas verdes e uma palma da mão é igual a uma porção de carne.

2. Fazer refeições menores e com mais frequência

 Alguns especialistas recomendam que façamos pequenas refeições durante o dia. Aumentar as refeições diárias, comendo porções pequenas em cada uma delas, ajuda a normalizar os níveis de açúcar no sangue, ao invés de produzir três grandes picos da substância no organismo, que é o que acontece quando realizamos 3 refeições ao dia.

Primeiramente devemos determinar a quantidade de calorias que necessitamos por dia e depois, manter esse número em mente à medida que realizamos a transição de deixarmos de comer três vezes e passamos a comer menos e cinco vezes.

3. Praticar mais exercícios

 Ao caminhar, correr ou levantar pesos, aumentamos a energia que o corpo necessita, e consequentemente aceleramos nosso metabolismo, no momento o exercício e durante algumas horas após realizá-lo. Ainda que não se trate de uma grande aceleração, sem dúvida fará toda a diferença.

4. Exercícios com pesos

 Durante o treinamento com pesos, o tecido muscular se destaca e, após, é reparado, o que demanda mais energia e acelera o metabolismo. Uma mulher que realize exercícios com pesos pelo menos três vezes por semana durante seis meses pode acumular músculos suficientes para queimar entre 10 e 32 calorias adicionais por dia.

5. Sorrir muito

Sorrir também acelera o metabolismo. Pesquisados da Universidade de Vanderbilt em Nashville, Tennessee, realizam um estudo encerrando algumas pessoas em uma “câmara metabólica” (um pequeno quarto que mede a produção de calor corporal com a finalidade de calcular a taxa metabólica de uma pessoa).

Essas pessoas assistiam a vídeos de humor, e durante a atividade os pesquisadores notaram que a taxa metabólica delas aumentava em uma quantidade entre 10 e 40 calorias queimadas a mais.

Claro que se trata de um pequeno aumento, mas cada caloria conta para quem busca perder peso e acelerar o metabolismo.

Bruna Murta Alves – Educadora Física

Referências

www.significados.com.br

www.google.com.br

 

Vida longa, saudável e sem doenças

Inúmeros estudos mostram que um melhor estilo de vida saudável pode influenciar muito o não aparecimento de doenças. Hábitos como não fumar, consumo de bebida alcoólica moderado, pratica de exercícios físicos frequentes e seguir uma dieta adequada, são atitudes que fazem bastante diferença em uma vida mais longa e com qualidade.

O trabalho de conscientização dos riscos que o tabagismo causa para as pessoas tem levado muitas pessoas a pararem de fumar ou não fumarem nos últimos anos. É preciso manter esse trabalho de conscientização e fazer com que, não só as pessoas que fumam parem de sofrer os riscos de doenças ligadas ao tabagismo, mas também, as pessoas que os acompanham parem de sofrer com os malefícios que o tabaco trás com sigo. Muitas das vezes a pessoa que acompanha o fumante sofre até mais malefícios do que a própria pessoa que fuma.

O consumo de bebidas alcoólicas em excesso, além de sobrecarregar alguns órgãos pode engordar bastante. Junto de um copo de cerveja ou uma bebida destilada sempre vem o acompanhamento e aí que ocorre as chances de sua dieta se perder. Para uma dieta ser eficaz é imprescindível que seja seguida corretamente ou parcialmente corretamente nos finais de semana e eventos durante a semana. Por exemplo, se você tem uma dieta de 1000 calorias durante a semana e nos finais de semana passa essa dieta para 3000, imagina como o seu corpo vai responder. Se contarmos com sábado e domingo essas 3000 calorias viram 6000 calorias, ou seja, em uma semana que sua dieta era de 5000 calorias de segunda a sexta, no sábado e domingo você consumiu mais que todos esses dias anteriores. Ou seja, sua dieta ‘foi para o espaço’ com suas 11000 calorias/semana. Tente manter sua dieta firme nos finais de semana. Faz toda a diferença.

Além das medidas à mais, suas articulações e coluna sofrem constantemente com alguns quilos a mais. Experimente o teste, coloque em sua cintura duas caneleiras de 5 quilos e faça tarefas do seu cotidiano, como subir escadas, caminhar, etc. Seu corpo vai te responder com certeza.

Os exercícios físicos são parte fundamental de uma vida de hábitos saudáveis. Os exercícios físicos, além de contribuir para um balanço calórico mais eficaz (gastar mais energia do que consome), ele contribui na mudança da sua composição corporal, ou seja, perder gordura e ganhar massa magra  (eficiente para proteger suas articulações, coluna e evitar doenças articulares). As atividades físicas periodicamente executadas são eficazes para aumentar a densidade óssea do indivíduo também, e assim, evitar doenças nas articulações. Mas um detalhe, algumas doenças articulares nós podemos prevenir com os exercícios, mas não remedia-los. Em alguns casos os exercícios vão colaborar apenas para uma redução de dores. Fique atento, é melhor prevenir do que remediar.

O conjunto dessas atividades podem contribuir muito para uma redução do risco de várias doenças, como; doenças coronarianas, hipercolesterolemia, obesidade, diabetes, osteoporose, artrites, artrose, alguns cânceres, entre outras doenças, e com isso, além de você ter uma vida mais longa, ela será muito mais saudável.

 

Richardson Siqueira

Educador Físico Clinlife

CREF 01838-7

Porque Metas e Objetivos?

Objetivos e metas são realmente importantes. Eles ajudam a te dar clareza, a traçar um plano para realizar um sonho, a ter direção e saber para onde ir – o que pode ser bem confortante. Mas então por que é que você nem sempre consegue cumprir o que se propôs no dia 1º de janeiro? Por que o planejamento que você gastou tanto tempo fazendo se esvaiu feito fumaça no bimestre seguinte?

Uma das razões pelas quais não cumprimos com o que nos comprometemos em termos de objetivos é por que as coisas acontecem à nossa revelia. São os tais “fatores externos” que, por serem alheios a nós, nos escapam do controle ou da possibilidade de manipulação.

Agora, o problema acontece quando não conseguimos ir atrás do que se propôs para nós. Por que isso acontece? Em geral, por que colocamos o carro na frente dos bois, ou seja: Traçamos metas aspiracionais, na esperança de que, se as cumprirmos, elas farão nos SENTIR de determinada maneira.

Exemplos:

Objetivo aspiracional: Ter uma casa nova —> Pode significar: eu quero me SENTIR segura;

Ou seja, o foco está no lugar errado! Nós temos que entender o que clama nossa Alma, nossa essência – e o caminho para ela está em como queremos nos SENTIR.

Objetivos e metas são o meio para concretizar o como queremos nos sentir. Não são o ponto final. Repito: Objetivos e metas são o meio e não o ponto final.

Solução: Mapeie como você quer se sentir. Não daqui a 5 anos. Hoje. Daquiem diante. E daí faça um planejamento de intenções para dar conta disso!

1 – Faça um levantamento de como quer se sentir. A lista pode ser infinita, e nesse momento quanto mais, melhor. Ela vai se parecer com algo desse tipo:

2 – Agora, dê zoom em cada uma das palavras que você escolheu, com a idéia de entender o que elas querem MESMO dizer para VOCÊ. Quanto mais específicas, maiores as chances de você realmente entrar em contato com o que clama sua alma. Então, pergunte a cada uma das palavras que você escolheu: o que você quer dizer? Um exemplo. Todo mundo diz que quer se sentir uma pessoa de Sucesso. Mas o que é sucesso pra você? Defina, vá atrás e seja o mais honesto possível. O seu conceito de Sucesso é só seu.

3 - Hora de escolher 4 ou 5 palavras. São aquelas que mais te fazem sentir conectado com sua essência – aquelas que refletem sua verdade. Como eu quero MESMO me sentir? Faça o exercício da renúncia, usando seu coração como guia para deixar de lado aquilo que não lhe pertence.

4 – Finalmente, trace um Plano de intenções baseado no que você quer sentir. Sim, intenções: são objetivos que vêm de dentro. Tenho a impressão de que será mais fácil de cumprir…

Expresse sua essência, a sua alma!

Paula Oliveira

CRP 04/34982

Psicóloga Clinlife

Sódio um grande vilão

Hoje, no Brasil existem mais de 30 milhões de hipertensos. A pressão não controlada é a principal causa das duas doenças que mais matam no Brasil o acidente vascular cerebral e o infarto do miocárdio. A cada ano, 300 mil brasileiros são vitimados pelas doenças cardiovasculares, principalmente causadas pela hipertensão.

A redução do consumo de sal, assim como o controle de peso e a prática de atividades físicas regulares, são algumas medidas recomendadas por especialistas para reduzirem essa estatística de Hipertensão.

Um acordo do Ministério da Saúde com a indústria alimentícia prevê a redução gradual de sódio em diversas categorias de alimentos no Brasil. A lista inicial contém 16 variedades, que incluem massas instantâneas, pães e bisnaguinhas.

A principal fonte de sódio é o sal de cozinha, mas ele está presente em muitos outros alimentos, sejam eles naturais ou industrializados, pois é um conservante natural. E o principal: não é por que o alimento é salgado que tem muito sódio. Uma pesquisa do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia ouviu mais de 1.200 hipertensos e descobriu que 93% deles não sabem fazer a relação entre o sal e o sódio descrito nas embalagens dos alimentos. E 75% deles nem sequer lêem os rótulos. Isso porque o mineral fica camuflado.

Isoladamente o sódio não tem sabor, mas poucos sabiam disso. Geralmente os médicos costumam recomendar a redução do sal para as pessoas com hipertensão porque ele é a principal fonte de sódio. Para se ter uma ideia do quanto de sal tem em um alimento, é só multiplicar o valor do sódio no rótulo por 2,5. Um alimento com 500 mg de sódio representa 1,25 g de sal, por exemplo.

DICA
Atenção à rotulagem dos alimentos:
Em 100g de alimento:
Menos 120mg de sódio - Bom
120 à 600mg de sódio - Moderado (evitar)
Mais de 600mg de sódio - Muito alto- proibido

 

Junia Rodrigues

Nutricionista Clinlife

CRN 3683

 

Falsas ilusões no emagrecimento

A pessoa comprometida com um programa de reeducação alimentar precisa evitar algumas falsas idéias que costumam surgir no do dia-a-dia. Falsas idéias são ilusões que devem ser desmistificadas para que o objetivo de emagrecer se concretize.

Um bom desempenho nas atividades diárias exige um corpo em boa forma física, uma percepção mais aguçada da realidade e ações mais conscientes e menos mecânicas. Se essas condições estiverem presentes, o desempenho no trabalho, com os amigos e com familiares melhorará naturalmente.

Emagrecimento duradouro não combina com alimentação sem prazer e nem com guerras diárias contra o desejo e a gula. Por isso, a reeducação é acima de tudo um processo contínuo, através do qual a pessoa incorpora hábitos saudáveis progressivamente, os quais deverão ser mantidos de forma consciente e prazerosa.

Muitas pessoas acreditam que os seus problemas desaparecerão quando perderem alguns quilos extras. Essa ilusão pode causar uma grande confusão. É verdade que a perda de peso melhora a saúde, a auto-estima e a qualidade de vida. Os benefícios para o corpo são visíveis, com aumento da disposição e do bem estar. Entretanto, quando os problemas estão relacionados a fatores emocionais, apenas emagrecer não resolve.

É ilusão pensar que o emagrecimento poderá ser a solução para um casamento já desgastado por conflitos, ou que abrirá portas para fazer amizades facilmente, se existirem fatores emocionais impedindo que isso aconteça.

O emagrecimento é muito importante e traz grandes benefícios, mas não é a solução para todos os problemas. É ilusão achar que basta apenas determinação para a balança mostrar os números desejados, apesar de ser indiscutível o papel da força de vontade para conseguir o peso desejado e um corpo mais saudável.

A determinação permite resistir a um bolo trufado de chocolate (milhões de calorias). Entretanto, só força de vontade não é suficiente para adotar a reeducação alimentar como um hábito constante. É preciso também estar sinceramente convencido da importância de emagrecer e conhecer a composição dos nutrientes para poder utilizar uma alimentação balanceada.

Apenas “fechar a boca” poderá ser desgastante e gerar frustrações no futuro. Promessas difíceis de cumprir também produzem frustrações e podem fazer a pessoa desistir dos seus objetivos. Metas realistas e de curto prazo são mais estimulantes e incentivadoras quando inseridas num contexto mais amplo.

Pessoas que praticam atividades físicas às vezes acreditam que podem colocar mais calorias no prato. Malhar e depois se “presentear” com um brigadeiro pode pôr a perder todo seu esforço para emagrecer. O gasto calórico resultante da atividade física é normalmente superestimado, enquanto as calorias obtidas pela alimentação são subestimadas. Seguir um programa alimentar correto não exclui a necessidade de praticar exercícios, assim como as atividades físicas não dispensam o cuidado com a alimentação. Alimentação e exercícios físicos devem caminhar juntos e estar de acordo com as necessidades de cada pessoa.

Outra ilusão muito comum, e que constitui uma verdadeira armadilha, é abandonar a reeducação alimentar em situações que fogem da rotina. Aniversários, feriados, festas familiares, encontros com amigos ou finais de semana podem se transformar em pretexto para exagerar em tentações que irão comprometer o objetivo de emagrecer. É necessário dizer não para ofertas muito calóricas e também para os amigos que dizem que um dia só não faz mal.

Para alcançar o objetivo de ter o peso desejado e conquistar um corpo saudável, é preciso abandonar as falsas ilusões e os pensamentos errados de algumas pessoas que imaginam estar fazendo reeducação alimentar, quando na realidade estão apenas se iludindo.

 

Adrielle Ferreira

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/38423.

Manteiga ou margarina: Qual a opção mais saudável?

Por muito tempo a manteiga foi considerada grande vilã nas dietas e a margarina foi ganhando espaço na rotina alimentar dos brasileiros.

Porém, pesquisas recentes têm mostrado que esses valores estão se invertendo.

 Embora tenham muita semelhança em sua aparência, suas composições são muito diferentes.

 

A manteiga contém a maioria das vitaminas solúveis em gordura (A, E, K e D). É uma fonte rica em vitamina A de alta absorção; necessária para uma série de funções no organismo, como:

- metabolismo adequado da proteína;

-melhora no funcionamento do sistema endócrino;

- promoção de um sistema imunológico forte;

- melhor função da tireoide, da visão, e do metabolismo ósseo;

- saúde da pele.

 É rica em ácidos graxos de cadeia curta e média; utilizados mais rapidamente como fonte de energia, ao invés de serem estocados como gordura corporal.

A manteiga tem quantidades significativas de ácido butírico que possui propriedades anticancerígenas, ajuda no controle do peso, promove a saúde da flora intestinal e age como anti-inflamatório.

E mais; a manteiga é rica em gordura saturada

Alguns estudos de metanálise foram feitos provando que a gordura saturada não gera doenças cardíacas.

Já o consumo de altas quantidades de gorduras poliinsaturadas da margarina e de óleos vegetais industrializados, foram associados a um maior nível de desenvolvimento de doenças cardíacas.

A margarina era feita a partir da hidrogenação de óleos vegetais, rica em gorduras trans.

Como foram descobertos os males associados a esse tipo de gordura, a indústria modificou a composição da margarina adicionando gorduras interestificadas, que também não são ideais, já que podem aumentar os níveis de glicose no sangue e contribuir para o aumento do colesterol ruim (LDL).

Além disso, esse tipo de gordura é estranha ao organismo, que não consegue metabolizá-la apropriadamente.

Por isso, mesmo as versões de margarina light ou enriquecidas com cálcio e ômega 3 devem ser evitadas.

Nunca houve nenhuma evidência boa de que a margarina é benéfica para a saúde. Portanto, prefira a manteiga, lembrando de que o ideal é consumir até duas colheres de chá por dia.

Karoline Martins

Nutricionista – Clinlife

CRN: 5616

A Hora Certa de Mudar

Como saber quando é o momento mais propício para a mudança? O tempo ótimo para tomarmos aquela decisão que irá dar um giro de 180° em nossa vida? A hora exata de dar o primeiro passo para o novo?

Difícil dizer. Como o próprio nome diz; tudo que é novo é desconhecido, e traz inseguranças, talvez por isso seja tão conflituoso para algumas pessoas saírem da sua zona de conforto.

O medo de arriscar é maior e nos impossibilita de agir. Costumo dizer que é muito mais saudável fazer e errar, do que simplesmente não fazer. Você aprende tanto no caminho…

O certo é que só mudamos quando a nossa “zona de conforto” já não nos “conforta” tanto mais.

Porque enquanto há “conforto”, há ganhos em permanecer dentro da nossa bolha de proteção, mas a partir do momento que esses ganhos passam a ser questionados por nós ou a serem menores que os ganhos de sair da bolha, nossa percepção se altera e o desejo de mudança se instala.

Você pode estar neste exato momento vivenciando algum tipo de conflito; troco de emprego ou não? Termino esse relacionamento? Começo uma dieta?

E não consegue tomar uma decisão de trocar de emprego e ganhar um salário melhor, talvez porque ainda tem muitos ganhos com o atual emprego, amigos que fez por lá, é perto da sua casa, o seu chefe é legal com você etc.

Não consegue terminar um relacionamento que não lhe faz bem por ter medo de ficar solteiro (a). E tenta começar a fazer dieta por estar acima do peso, mas come chocolate e toma refrigerante todo dia.

Em suma, toda verdadeira mudança surge de um conflito, de uma insatisfação com o estado atual, seja ele qual for. Como diz a célebre propaganda a mudança começa com os “desapegos”.

Se ainda estamos “apegados” à nossa “bolha” dificilmente conseguiremos mudar. Então, um VIVA aos “desapegos”!!!

Iana Pechir

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/35355

 

Suplementos alimentares para esportistas

Quando devem ser indicados?

A suplementação para esportistas está sendo cada vez mais utilizada sem indicação e acompanhamento profissional adequado.

A grande variedade de suplementos e o consumo liberado trazem a falsa idéia de que o uso é inofensivo; mas a verdade é outra.

Os suplementos à base de proteínas devem ser consumidos com moderação e controle de quantidades diárias, pois podem sobrecarregar os rins e comprometer a saúde.

Já o consumo de carboidrato deve ser balanceado, dentro de um plano alimentar compatível com o treino, para que haja perda de tecido adiposo e não de massa muscular.

O termo esportista é usado para o individuo que pratica atividade física sem intenção de participar de competições, busca saúde, conseqüentemente maior qualidade de vida.

Nesses casos é muitas vezes desnecessário o uso de suplementos nutricionais, sendo mais indicado uma dieta equilibrada e caso necessário consumo mínimo de algum tipo de suplemento específico indicado por um profissional para complementar e não substituir refeições saudáveis; que são importantes para manter a nutrição e o bom funcionamento orgânico.

A realização de exames bioquímicos para pontuar as reais necessidades de suplementação é o primeiro passo para um bom resultado, seguida de acompanhamento profissional adequado para elaboração de plano alimentar e rotina de treino.

Dessa forma, se tem tempo e gastos reduzidos para o alcance dos resultados desejados sem abrir mão da saúde; uma vez que não adianta agir com imediatismo principalmente no que diz respeito a mudanças de hábitos, pois tudo demanda disciplina e foco.

Se render a promessas de resultados milagrosos pode trazer sérios problemas à saúde a curto, médio e longo prazo.

Produzido por Jaqueline dos Anjos de Abreu CRN 4632 – Nutricionista Clinlife

DANÇA: uma grande aliada para obter e manter a boa forma e o bem estar

 Você é daquelas pessoas que sabe que tem que emagrecer, que quer ganhar massa muscular, que quer ter uma qualidade de vida em todos os aspectos (físico, mental e espiritual), mais coloca milhões de obstáculos na frente? E acha que só puxando ferro e fazendo uma grande restrição alimentar que isso pode ser alcançado, mas que tudo isso é muito chato.

Pois bem, lógico que uma alimentação balanceada e um bom treino diário aceleram muito esse processo, mas para nem todos é tão prazeroso assim. Por isso muitas academias, studios dentre outros serviços voltados para saúde vem incentivando a pratica da dança. A dança para ser praticada não tem limitações, pode ser em qualquer lugar, com qualquer um ou ate sozinho, pode ser com qualquer ritmo, qualquer batida, com qualquer idade; para dançar basta ter disposição, criatividade e se soltar.

Os benefícios da dança como uma atividade física são bem conhecidos: flexibilidade, melhora do condicionamento aeróbico, aprimoramento da coordenação motora e perda de peso, fortalece a musculatura, protege as articulações, atenua dores e é uma terapia para a alma. Basta observar com um pouco mais de atenção para perceber que os resultados vão muito além do bem-estar físico. Socialização, combate à depressão e à timidez, alegria, auto-estima elevada e disposição para encarar as dificuldades do dia-a-dia são apenas algumas das transformações que se nota em quem se arrisca a adentrar o mágico mundo da dança. Mais do que técnica, é preciso sentimento – e isso o ser humano tem de sobra. Ao ensaiar os primeiros passos, a pessoa se desprende dos medos e preconceitos e vê seu estilo de vida ser transformado pouco a pouco.

Agora sabendo de todos esses benefícios e visando que um simples balançar já é dançar, o que nos impede de correr atrás daquilo que todos procuram, mas sem tanto sofrimento e com muita alegria. Lógico que se o objetivo é se tornar um Sylvester Stallone nos tempos de “Rambo” ou uma Gracyanne Barbosa da vida vai precisar de um esforço maior, mas a dança pode continuar sendo uma grande aliada nessa busca.

O importante é viver bem, com qualidade e equilíbrio, por isso faça da dança seu trampolim e se liberte, sem medo do ridículo, do que pareça, do que seja e de quem esteja vendo, viva pra você e por você.

Érica Cristina P. Gonçalves

Profissional de Educação Física Clinlife

CREF:026480-G/MG