CINCO MOTIVOS PARA TREINAR MUITO NO INVERNO

1- Projeto verão começa no inverno
Nos dois primeiros meses de treino, você conquista resultados funcionais: a postura, a capacidade cardiorrespiratória e a habilidade motora melhoram; a flexibilidade, a força e a resistência muscular aumentam e você tem mais disposição e energia. Os resultados estéticos começam a surgir depois. Por isso, a chegada do inverno é o momento ideal para dar início ao chamado “projeto verão”. Assim, você tem tempo de traçar um treinamento de acordo com os seus objetivos, colocá-lo em prática de forma efetiva e conquistar resultados expressivos.

2- Metabolismo em alta
Para manter a temperatura interna do corpo em 37°, nosso metabolismo aumenta no inverno. O lado bom disso é que as nossas reservas de energia são “queimadas” para manter nosso corpo quente. Por outro lado, passamos a comer mais alimentos calóricos, justamente para repor esta reserva de energia. Treinando no inverno, você consegue a disciplina necessária para manter uma dieta equilibrada e usar este gasto calórico extra a seu favor, para obter uma redução de gordura.

3- Fora gripes e resfriados!
As atividades físicas fortalecem nosso sistema imunológico, potencializando os mecanismos de defesa do nosso organismo e auxiliando no combate às doenças comuns do inverno, como gripes e resfriados. Aquino Blog da Trainer já destacamos os benefícios da natação nesta época do ano, pois o vapor de água eliminado pelas piscinas umidifica o ambiente, evitando lesões na mucosa do trato respiratório e, consequentemente, infecções virais.

4- Bom humor e disposição
No inverno, nossa vontade é ficar em casa, debaixo das cobertas (acompanhados de um “cobertor de orelha”, de preferência), certo? Para ter mais disposição, nada melhor do que uma boa dose de endorfina no corpo. Alguns estudos mostram que a endorfina é liberada de 24 a 48 horas após o treino. Por isso, quem treina com frequência sente os benefícios durante toda a estação.

5- Shape bacana o ano todo
Quem treina no inverno elimina o efeito sanfona, fica com o corpo bonito e a saúde em dia o ano inteiro. Por isso, não deixe estes três meses de friozinho atrapalhar seu treinamento e venha para a academia pelo menos três vezes por semana.

Fonte: Blog da Trainer

 

 

Luiz Cláudio dos Santos

Profissional de Educação Física

Cref: 026677- G/MG

Multiplicidade de papéis, saúde e qualidade de vida da mulher moderna

Pixabay/Creative commons

Reconhecimento profissional, satisfação pessoal e qualidade de vida são alguns dos desejos das mulheres do Século 21. Casadas ou solteiras, elas enfrentam carga de estresse alto com as múltiplas jornadas impostas pela vida moderna, com as obrigações no trabalho, com a família ou amigos e os estudos. Assim, os cuidados pessoais e a prevenção da saúde se fazem imperativos para que alcancem seus objetivos.

Ter um estilo de vida saudável é imprescindível para conseguir chegar aos 100 anos com saúde física e mental e de bem com o seu corpo. E como nunca é tarde para realizar mudanças na vida, que tal começar a fazê-las agora?

Nossos hábitos dizem muito sobre quem somos, como costumamos trabalhar e sobre quais as expectativas que temos em relação ao mundo e às pessoas. Para que possamos ter sucesso em nossas atividades diárias, seja nas profissionais e ou pessoais, é preciso que identifiquemos bons hábitos e os maus, tanto para reforçar alguns comportamentos quanto para podermos nos desprender deles e adotar novos e melhores hábitos.

Quanto melhores forem estes hábitos, mais felizes poderemos ser! É preciso muita força de vontade para modificar maus hábitos. Primeiro precisamos identificar quais são as atitudes que nos prejudicam. Por exemplo, adiar nossos compromissos sem necessidade, não separar um tempo para realizar refeições, momentos de lazer ou até mesmo ir dormir muito tarde, insistir em terminar alguma tarefa quando já não temos mais energia para isso. Esses são comportamentos habituais que não ajudam no sucesso de nossas atividades e que precisam ser modificados. Nossos hábitos só podem ser alterados através de muito esforço. Toda mudança exige vontade e disciplina, mas vale à pena.

E sabe aquela história de que tudo o que consumimos reflete diretamente na nossa saúde? Pois bem, isso é verdade. Manter uma alimentação saudável, praticar atividade física  e cuidar da saúde na juventude são fatores essenciais para chegar à terceira idade com muito mais vigor, energia e livre de doenças. Além disso, a aquisição de bons hábitos alimentares aumenta a disposição para o desenvolvimento de tarefas no seu dia a dia.

Praticar atividade física, para muita gente, é um desafio. Falta de vontade, preguiça ou um histórico de resultados ruins são as principais justificativas para adiar o início do treino. Mas, todos esses fatores desaparecem quando o engajamento aos exercícios realmente acontece.

Quem vence as dificuldades só tem a ganhar com o fim do sedentarismo. A prática de atividades físicas queima calorias, controla a saúde, acelera o metabolismo e tonifica os músculos. Os exercícios regulares melhoram a qualidade de vida e são essenciais para a longevidade.

Neste contexto, o check-up médico também é uma ferramenta preventiva fundamental para conhecer os fatores de risco para à saúde, buscando corrigi-los com a mudança no estilo de vida. Exames regulares permitem avaliar o corpo como um todo, levando em conta o lado emocional e sinalizam os impactos do estresse na saúde de cada um. As mudanças na rotina quanto a otimização da saúde serão observadas no check-up. Aproveite o momento e adquira novos hábitos para a sua vida.Melhor que curar é prevenir. Este é o caminho para se ter uma longevidade saudável.

 

Jeniffer S. Cornélio

Enfermeira

Coren-MG 212.311

Emagrecer sim no inverno!

 

Basta esfriar para nosso apetite aumentar, né? Essa é uma das razões que explicam a tendência há engordar nos meses mais frios do ano. Sentimos mais fome no inverno porque nosso organismo precisa de mais energia para manter a mesma temperatura interna, próxima aos 37 graus.

Mas, com persistência, você pode atravessar os meses do outono e do inverno sem engordar ou até mesmo conseguir eliminar alguns quilos. Basta seguir nossas dicas para não ser pega pelas armadilhas do frio.

  • Faça sopas e outros alimentos substituindo margarina, queijo, leite e creme de leite pelas versões light. No lugar de batata, use legumes ricos em fibras, como abóbora e cenoura. E sempre troque a farinha branca pela integral.
  • Use chocolate amargo, leite desnatado e adoçante. Baunilha e canela dão sabor ao leite sem engordar. Abuse deles.
  • Misture as folhas cruas aos alimentos quentes. Para compensar a redução de salada, aumente a ingestão de verduras cozidas e sopas de legumes.
  • Além de se policiar para beber água, você pode tomar chá quente ao longo do dia. Varie os sabores, mas não coloque açúcar.
  • Pratos servidos bem quentes dão, nesta estação, a sensação de mais aconchego e saciedade. Adicione, para simular mais calorias no alimento, um ou mais temperos picantes, como pimenta vermelha, pimenta-do-reino, alecrim, manjerona, wasabi (usado no sashimi), gengibre, cebola, alho, limão, vinagre de vinho, vinagre comum, etc. Essas calorias se dissiparão em toda a massa corporal e não engordarão, embora, esquentando, exijam temporariamente, menos queima de combustível.

Quando a temperatura cai um pouquinho, as ondas de gripe e resfriado logo aparecem, não é mesmo? Para resistir ao assédio desses vírus, invista em alimentos que fortalecem as defesas internas. Veja alguns exemplos:

  • ALHO – Tem substancias que inibem os agentes infecciosos. Para se proteger misture-o à comida. Consumo mínimo diário: 2 dentes frescos.
  • NOZES, CARNES E FRUTOS DO MAR – Fornecem zinco, mineral que participa de vários processos corporais, entre eles a defesa contra infecções. Consumo mínimo diário: veja com sua nutricionista.
  • FRUTAS CÍTRICAS – São as melhores fontes de vitamina C, essencial para o sistema imunológico.Consumo mínimo diário: 1 kiwi ou 1 laranja ou 1 copo suco limão ou suco acerola.

 

Juliana Castilho

Nutricionista Clinlife

CRN 4524

Como temos cuidado do nosso amor?

Foto: Pixabay / Creative Commons

 

Você acredita em si?

Você se enxerga como alguém merecedor de alegrias?

Como você definiria o amor por si mesmo?

Podemos perceber que esses e tantos outros questionamentos que ouvimos por aí, e/ou até fazemos a nós mesmos, remetem ao Amor. Mas, às vezes, não conseguimos identificar claramente, confundimos com autoestima, egoísmo, porém estamos falando de amor-próprio. E basicamente ele é definido como a capacidade que uma pessoa tem de sentir amor por si mesma. Assim como, quando amamos alguém, buscamos de vários modos cuidar dessa pessoa, querer o seu bem, fazer coisas para agradá-la, no amor próprio sentimos a mesma coisa, mas por nós mesmos.

Ter apreço por si mesmo vêm de ações que nos auxiliam a desenvolver física, psicológica e espiritualmente. Permitir-nos perceber nossas forças e fraquezas, aprender a lidar com elas, entender que nossos defeitos não nos diminuem, que temos falhas e que buscamos ser melhor a cada dia.

Cultivar o amor-próprio é entender que somos a pessoa mais importante para si, que devemos arcar com as consequências de nossas ações. Ter autonomia sobre a nossa felicidade, pois ela está em nossas mãos, é nosso bem mais precioso. Abrir mão daquilo que não nos faz bem, que não nos auxilia no crescimento. Praticar amor-próprio vem do autoconhecimento, lidar com nossas emoções nos momentos bons e difíceis respeitando a si e seus limites.

Desenvolver esse amor é uma prática diária, há momentos que nos arrependemos de certas atitudes e até mesmo nos revoltamos com nós mesmos, mas não quer dizer que não nos amamos. É essa capacidade de reconhecer que somos falhos, que nos possibilita a gerir melhor os momentos em que não estamos bem, lidando melhor com as adversidades e com os diversos sentimentos e emoções que vivemos todos os dias.

Amar-se é cuidar do nosso corpo, da saúde, entendendo que não é somente para sentir-se melhor, mas sentir-se bem consigo. É cuidar da mente, estar atento ao desenvolvimento pessoal, o crescimento, busca constante de aprendizado, viver plenamente.

O amor próprio nos ajuda a fazer boas escolhas, a dar valor aos nossos sentimentos, a não nos diminuir diante do outro, a saber ouvir quem nos critica de modo a buscar nosso crescimento. Além de ser o passo principal para que possamos amar as outras pessoas. Se você se ama, terá a capacidade de dar amor.

Amar-se é admirar-se! Implica em respeitar o que sente, gostar do que vê, apreciar fortalezas, respeitar fraquezas e saber lidar com elas.

Cuide do seu amor.

 

Fernanda Dias
Psicóloga Clinlife
CRP 04/27335

Alimentação saudável para o dia dos namorados!

A boa companhia e o clima gostoso são a chave do sucesso para uma jantar de comemoração para o dia dos namorados.

Não deixe que este dia de comemoração estrague todo o seu esforço da dieta. É totalmente possível juntar o útil com o agradável!

Algumas dicas podem te ajudar a não pisar na jaca neste dia!

Se for jantar, evite massas! O carboidrato a noite muito fácil de ser estocado como gordura! Prefira legumes quentes com uma carne branca ou até mesmo uma falsa massa feita de espaguete de abobrinha ou pupunha ao molho suco ou ervas!

Preparações grelhadas, cozidas ou assadas, são as melhores opções e não esqueça das saladas para acompanhar.

Utilize temperos naturais, ao invés dos prontos, industrializados. As ervas dão muito mais sabor ao alimento!

Já sobre a sobremesa… porque pisar na jaca com muito açúcar? Faça opções de sobremesas mais saudáveis como por exemplo uma bela salada de fruta!

Aproveite o dia sem prejuízos e culpa!

 

Receita de legumes a chinesa:

 

Rendimento: 3 porções

Calorias: sem as iscas de frango =  138 calorias

com as iscas de frango = 228 calorias

 

Ingredientes:

01 abobrinha italiana (corte no ralo p/ batata chips)

01 cenoura média (corte no ralo p/ batata chips)

01 pimentão amarelo picado

01 cebola grande picada

Acelga – à vontade (use as partes mais próximas do talo e também o talo. Pique mais grosso.)   * se quiser substitua a acelga por repolho

03 colheres de sopa de molho shoyo (de preferência light)

01 colher de chá de maisena dissolvida em 0,5 xícara de água

01 colher sopa de óleo canola

01 colher chá de tempero (sal de alho)

 

Modo de preparo:

Em uma wok ou frigideira grande adicione o óleo e o sal de alho, depois que tostar o tempero acrescente a cebola e a cenoura. Deixe que murchem um pouco. Em seguida acrescente o pimentão e a abobrinha e deixe uns 2 minutos, mantendo sempre o fogo alto. Por último,adicione a maisena dissolvida em água, as 03 colheres sopa de shoyo, a acelga e misture suavemente, após 2 minutos desligue o fogo.

Sirva com uma carne grelhada.

 

** Sugestão:

Se quiser transformar esta receita num prato único, acrescente isca de filé frango.

Para isto, pique e tempere 1 filé peito frango (300grs). Grelhe em outra frigideira e adicione aos legumes depois de prontos.

 

Juliana Castilho
Nutricionista Clinlife
CRN 4524

Características da Obesidade Infantil

Desde as últimas décadas, a população mundial demonstra o aumento da gordura corporal em todas as faixas etárias. A obesidade é considerada uma doença crônica não transmissível, o Ministério da Saúde estima que cerca de 70,4% da população brasileira encontram se obesos ou acima do peso.

O ritmo acelerado característico da vida moderna, a necessidade de praticidade no dia-a-dia tornam os momentos de alimentação mais rápidos e práticos e isso tem refletido na mudança de hábitos alimentares e muitas vezes na qualidade do que se consome. De acordo com um estudo de 2011 a prevalência de diabetes e hipertensão está aumentando e esse diagnóstico está associado a mudanças desfavoráveis na dieta e na atividade física.

Há alguns anos a obesidade era uma doença que atingia somente adultos, mas atualmente esse quadro foi modificado. De acordo com dados do IBGE 2014, uma em cada três crianças no Brasil está pesando mais do que deveria pesar, e elas estão com idade entre cinco a nove anos. Este dado é alarmante porque uma criança obesa, provavelmente será um adolescente obeso e, por conseguinte um adulto obeso com várias doenças associadas, alem de desajustamento do convívio social.

Os alimentos pobres em nutrientes e ricos em gorduras, açúcares e sódio são os mais prejudiciais à saúde das crianças, e são os mais explorados em campanhas de marketing incentivando o consumo. E essas campanhas, muitas vezes, são destinadas ao público da primeira infância com personagens, embalagens atraentes e brindes infantis. O fácil acesso das crianças a alimentos considerados pouco saudáveis, como doces, refrigerantes, salgadinhos industrializados e frituras, tem contribuído para que as crianças venham a se tornar obesas.

A família possui parte fundamental na formação inicial dos hábitos alimentares da criança, sendo os pais o referencial inicial de padrão alimentar dos filhos. Os hábitos alimentares definem se, gradativamente, nos primeiro anos de vida, e durante esse período o estabelecimento de uma dieta desequilibrada pode causar excesso de peso. É fundamental que os pais e todo o contexto familiar estejam envolvidos em hábitos saudáveis, para que o exemplo seja uma forma eficaz para a prevenção da obesidade infantil.

A educação é um dos instrumentos mais valiosos na prevenção da obesidade e a escola, junto com a família, têm a missão de passar bons exemplos às crianças e de tratar a obesidade com o objetivo de diminuir os índices que teimam em crescer.

Deve se estimular o consumo de alimentos mais saudáveis desde a primeira infância para que essas crianças façam escolhas mais assertivas no contexto da alimentação. Sempre priorizar alimentos que sejam os mais naturais possíveis, como frutas, legumes e verduras deixando de lado alimentos industrializados ou que passam por muitos processos, como as frituras. É ainda importante o incentivo de praticas de atividades físicas para que possa mudar o quadro de sedentarismo infantil e ainda para que a obesidade possa diminuir.

 

Shellen Pollyanna

Nutricionista – CRN 14676

Conseqüências da Obesidade

A Obesidade é uma doença, ou um conjunto de doenças, caracterizada por excesso de tecido adiposo cujas células aumentam de tamanho e número e que tem como resultado uma diminuição na qualidade de vida.

Alguns fatores podem desencadear a obesidade, como:

  • Aspectos genéticos;
  • Hormonais;
  • Ambientais;
  • Comportamentais.

Independente da importância dessas diversas causas, o ganho de peso está sempre associado a um aumento da ingestão alimentar e a uma redução do gasto energético.

No Brasil, atualmente, a obesidade é um problema de saúde pública e já é considerada uma epidemia. A maior preocupação da obesidade é que ela sempre traz outras doenças como:

  • Doenças cardiovasculares
  • Aumento do colesterol,
  • Diabetes
  • Hipertensão arterial
  • Osteoporose,
  • Doenças ósseas,
  • Câncer, etc.

 

Além dos aspectos físicos, a obesidade pode levar a algumas alterações psicossociais, como:

  • Isolamento social;
  • Baixa estima;
  • Desânimo, cansaço;
  • Depressão;
  • Vergonha;
  • Medo;
  • Ansiedade, dentre outros.

A epidemia da obesidade ameaça também a longevidade humana. Enquanto o aumento da disponibilidade de alimentos permitiu às pessoas tornarem-se mais saudáveis, agora as pessoas estão se tornando mais gordas. E esse processo está ocorrendo cada vez mais cedo, diminuindo a qualidade de vida e aumentando o risco de doenças.

Portanto, é certo que somente uma real mudança nos hábitos alimentares, e de comportamentos, pode levar ao emagrecimento e manutenção de peso, e consequentemente a uma vida mais saudável! Vale a pena investir nisso!!!

Juliana Castilho

Nutricionista Clinlife

CRN 4524

Quase 50% da população de BH está acima do peso

Segundo pesquisa do Ministério da Saúde, 27,8% dos belo-horizontinos tem hipertensão arterial; Médico acredita que vida corrida e transtornos comportamentais são principais causas para o cenário.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, 49,6% da população de Belo Horizonte está acima do peso. Além disso, 27,8% tem hipertensão arterial e 10,1% diabetes. O cenário é muito parecido com a média nacional. Ainda de acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), em 2016 o excesso de peso atingiu 52,5% dos brasileiros, um crescimento de 60% na última década.

Para o diretor clínico da Clinlife – Centro de Medicina Integrada, o geriatra e gerontólogo Eduardo Pinho Tavares, esse fenômeno se dá por conta dos maus hábitos gerados pela correria do dia-a-dia.

“Esses dados mostram que os brasileiros não estão preocupados com a educação alimentar. Sem falar que a rotina das pessoas é pesada e nem sempre elas planejam uma refeição de forma saudável. Além disso, temos um grande índice de insatisfação nas cidades. A pessoa pensa assim: ‘Tenho mil problemas, meu único prazer é comer. Ainda vou ter que parar de fazer isso?’ E acabam deixando de lado a saúde”, explica o médico.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a obesidade como um epidemia que pode desencadear diversas doenças, principalmente as cardiovasculares, responsáveis por 30% das mortes no país. Mas os malefícios não param por aí.

“Diabetes, hipertensão arterial, colesterol alto, depressão e baixa auto-estima, que são doenças ligadas ao psicológico, estão diretamente relacionadas à obesidade. A incidência de cálculos na vesícula também é maior em pessoas acima do peso.”, relata.

Para reverter esse quadro, Dr. Eduardo acredita que uma série de medidas públicas devem ser tomadas. “Temos que reeducar as pessoas para que elas aprendam a comer melhor. Somente com uma alimentação saudável aliada a prática de exercícios físicos teremos uma população mais magra e com mais saúde”, afirma.

Dicas para quem quer emagrecer

Segundo o geriatra e gerontólogo, emagrecer é uma equação matemática simples. Ele dá algumas dicas para quem quer iniciar o processo.

“O primeiro passo é procurar um especialista. Emagrecer não é fácil, mas com o tratamento adequado se torna plenamente possível. Nos mais de 30 anos em que ajudo pessoas nessa jornada, percebi que o caminho é um só, como uma equação: comer menos caloria do que gasta. Ou seja, se alimentar de forma adequada, com acompanhamento médico e nutricional, juntamente com um profissional de educação física, te orientando nos exercícios.

Eduardo Pinho Tavares também adiciona outro fator que pode auxiliar na perda de peso. “Muitas pessoas não levam isso em consideração, mas ter um psicólogo ao lado, te auxiliando nas questões emocionais, faz toda a diferença. Muitos transtornos comportamentais, como a ansiedade e a compulsão, podem levar a uma alimentação de forma desregulada e prejudicial”, finaliza o médico.

Chá de Hibisco

Chá de Hibisco

O hibisco ( Hibiscus sabdariffa) é uma flor de origem africana, rica em substâncias antioxidantes como os flavonoides (quercetina), substancia anticâncer e que ajuda a saúde cardiovascular, protegendo os vasos sanguíneos, além de diminuir o colesterol ruim, aumentando o bom colesterol.  É fonte de vitaminas (B1) tiamina e riboflavina (B2) importantes para a atividade celular e na transmissão de impulsos nervosos. É rica em cálcio, magnésio e ferro.

O chá de hibisco é capaz de reduzir o processo de maturação celular no qual as células pré-adipócitas se convertem em adipócitos maduros capazes de acumular gordura corporal.

Contra Indicações

Alteração Hormonal

Possui componentes que interferem no processo de ovulação, portanto não deve ser consumido por mulheres que pretendem engravidar, nem gestante e lactante, pois poderá alterar os genes da criança.

Efeito Hipotensor

Pela ação diurética que reduz os eletrólitos poderá causar queda da pressão arterial sendo prejudicial para aqueles que já possuem pressão baixa.

Já os hipertensos devem ficar atentos, pois consumindo o chá juntamente com a medicação pode haver alterações causando uma queda brusca na pressão. Neste caso deve ser priorizada a medicação e sempre consultar seu médico antes de suspender qualquer medicação.

Como consumir:

1 a 3 xícaras de chá por dia

Ludimila Oliveira

Nutricionista Clinlife

CRN9  13325

Saúde e Abraços

No dia 22 de maio é comemorado o dia do abraço.

Quando foi a ultima vez que você abraçou ou foi abraçado?

Mas aquele abraço especial  apertado, sincero e cheio de afeto que revela os sentimentos que muitas vezes na cabem nas palavras?

Pois bem,  os pesquisadores descobriram que além da sensação de bem estar e satisfação imediata que um abraço proporciona, existem muitos outros benefícios que melhoram a saúde física e mental das pessoas envolvidas no abraço.

A psicoterapeuta Virginia Satir tem uma frase famosa que diz o seguinte: “Precisamos de 4 abraços por dia para sobreviver, 8 abraços por dia para nos manter e 12 abraços por dia para crescer”.

Em relação aos números não sei precisar se são exatos, mas é cientificamente comprovado que pessoas que dão e recebem abraços frequentemente, diminuem os batimentos do coração e a pressão sanguínea, reduzindo o risco de sofrer doenças cardíacas.

O sistema imunológico também é favorecido durante o abraço, pois  os hormônios responsáveis por combater infecções no organismo são liberados, deixando o corpo mais resistente às doenças.

Um hormônio  chamado oxitocina, mais conhecido como hormônio do amor também é amplamente liberado durante o abraço, proporcionando uma sensação de prazer e bem estar físico e emocional, assim como uma forte sensação de segurança.

A simples conexão física do abraço libera oxitocina suficiente para relaxar os músculos e aliviar dores, reduzindo também a pressão arterial e diminuindo os níveis de cortisol, conhecido como o hormônio do estresse.

Até a saúde do cérebro torna-se   significativamente melhor em pessoas que abraçam mais porque a oxitocina  é liberada, aumentando o poder de memória e ajudando o cérebro e encontrar equilíbrio e serenidade.

O melhor do abraço é que ele é de graça, um remédio natural e sem contra indicações para aliviar a tensão, reduzir o estresse, aumentar a autoestima, controlar a ansiedade e ainda garante um humor mais positivo após cada dose!

Thais Martins Santos

Psicóloga

CRP 04/24638