A construção do seu padrão de beleza

Estamos vivendo uma época na qual os padrões de beleza estão estereotipados. 

O corpo bonito é o malhado, sem nenhuma gordura, sem nenhuma imperfeição. Qualquer dobrinha é abominável. 

Jovens e adultos gastam horas em frente ao espelho, em busca de qualquer evidência que mostre que algo está fora do lugar. E quando encontram algo inadequado correm para academia, gastam (literalmente) horas do seu dia em busca do corpo perfeito, e também fecham a boca, afinal preferem morrer a imaginar qualquer gordurinha….

 

Será que paramos para pensar que os padrões impostos para nós, reles mortais, são realmente os adequados a nosso tipo físico? Geralmente não se pensa na resposta, afinal, isso não importa; se preciso for tira-se até uma costela, pois a cinturinha tem que ser fina, muito fina!

É óbvio que todos nós queremos nos sentir bem, mas precisamos saber que o bem-estar vai além, muito além de um simples corpo malhado.

Precisamos saber que não podemos simplesmente perder algo que nos incomoda, ao contrário, precisamos ganhar e saber o que estamos realmente ganhando: saúde, bem-estar (tanto físico como emocional), autoestima e qualidade de vida!

Quando nos alienamos e partimos em busca de um corpo idealizado pelos padrões impostos, perdemos o que teria que ser considerado o mais importante para nós: autoestima. A busca torna-se irreal, inatingível, pois sempre iremos querer mais e mais…

 

Na era em que os direitos estão cada vez mais sendo adquiridos; mulheres conquistando cada vez mais espaço na sociedade, pessoas estão se acorrentando em uma busca irreal,  cruel, muitas vezes até fatal em busca do corpo perfeito.

Será que não está na hora de buscarmos e reinventarmos nosso próprio padrão de beleza, baseado em nosso tipo físico e em necessidades individuais?

A hora é agora- construa você mesma seu padrão de beleza: olhe-se mais, ame-se mais, admire-se mais. Se nessa busca reconhecer que precisa e pode melhorar algumas características, melhore-as.

Mas seja você a visualizar isso, com olhar sadio sobre você, não adoentado pelos padrões impostos. O padrão de beleza precisa tornar-se individualizado, afinal, cada um sabe qual é o seu. Não tem que ser algo imposto pelo outro!

Precisamos nos olhar mais, nos admirar mais, reconhecer defeitos (sim, todos temos) mas também qualidades(simmmmmm, todos temos também), afinal, com toda certeza, você é muito mais bonita do que pensa ser!

Cristiane Froes

CRP: 35.330

Psicóloga Clinlife

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *