A GINÁSTICA ÍNTIMA

A falta de uso freqüente das musculaturas do nosso corpo provoca a sua flacidez, ocasionando, com o passar do tempo, a perda de força muscular. Esse processo acontece com todas as musculaturas do organismo que deixamos de exercitar.

O mesmo acontece quando pensamos na musculatura da pelve. Quando deixamos de utilizar a musculatura pélvica perdemos o controle de vários músculos importantíssimos para a saúde. Músculos esses que são responsáveis por movimentos básicos como o controle urinário, de fezes e do prazer sexual.

Vários fatores contribuem para a flacidez da musculatura pélvica como, por exemplo, a falta de estímulo à musculatura, o aumento da idade, partos, obesidade, processos inflamatórios entre outros. Essa flacidez muscular pode provocar diversos males à saúde. Dentre tantos males os principais são:

  • Incontinência urinária por esforço, tosse ou riso;
  • Prolapso uterino (“útero caído”);
  • Dificuldade em controlar gases e/ou fezes;
  • Perda da firmeza da musculatura da vagina que acarreta relações sexuais sem prazer para a mulher e para o parceiro.

Técnicas milenares foram desenvolvidas no mundo Oriental, principalmente por chineses e indianos para tentar solucionar os problemas relacionados à diminuição do tônus muscular da região pélvica de homens e mulheres e a melhora na prática sexual.

Essas técnicas aumentavam a força e a virilidade dos praticantes e solucionavam os problemas de saúde. O livro mais antigo que faz alusão a essas técnicas data de 5.000 anos atrás, o livro filosófico Chinês TAO. Mais recentemente o nobre indianoVatsyayana escreveu o livro que trata de comportamentos da população Indiana (e não apenas de posturas sexuais, como conhecemos no Ocidente) o Kama Sutra. Na década de 70 Kegel elaborou exercícios para tratar pacientes com urgência/incontinência urinária e fecal. Atualmente encontramos dois termos ainda pouco conhecidos e muito impregnados de preconceitos: o pompoarismo ou ginástica íntima.

As técnicas criadas recentemente procuram enfatizar o autoconhecimento, o conhecimento do potencial de satisfação sexual do próprio corpo e a prevenção e tratamento de distúrbios relacionado à região genital. Buscam aumentar a força muscular da região pélvica (o que evita doenças por desuso e ajuda a mulher na hora do parto) e o descobrimento ou aumento do prazer sexual.

Essas técnicas consistem em treinar a musculatura vaginal, com exercícios de ginástica (contração e relaxamento das musculaturas) para aumentar o tônus muscular, e se embasam no autoconhecimento e conseqüente domínio das diferentes musculaturas envolvidas. Nelas pode-se usar ou não objetos que são como os “pesos” utilizados em uma academia de musculação.

A ginástica pode ser praticada por jovens, adultos e idosos, pois trata da execução de movimentos com as diferentes musculaturas genitais e pode ser praticada em diversos momentos sem que as outras pessoas notem.

Com a prática da ginástica íntima os músculos da região pélvica são fortalecidos, trabalha-se também a consciência corporal evitando que com o envelhecimento tenhamos problemas relacionados à perda de controle da musculatura genital e a perda do prazer sexual. Aumenta-se, portanto, a qualidade de vida e a satisfação de viver bem!

Pratique saúde, se exercite!

Flávia Ferreira Simão

Educadora Física Clinlife

CREF 015957-G/MG

BIBLIOGRAFIA:

O livro de ouro do pompoarismo – Ginástica íntima para uma vida mais feliz / Regina Racco.10ª edição. Rio de Janeiro / RJ: Pompoarte – 2011.

1 comentário


  1. Muitas pessoas são preconceituosas com o pompoarismo, entendendo que ele é uma perversão sexual ou algo do gênero. Porém a verdade é a de que esta técnica é muito positiva e traz vários benefícios à saúde, independentemente da parte sexual. Este post foi ótimo para esclarecer algumas questões e indicar que devemos entender melhor as coisas antes de simplesmente julgá-las. Espero que, com o tempo, mais pessoas abram a mente e pratiquem o pompoarismo no sentido de melhorarem a si mesmas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *