A OBESIDADE E SUAS FUNÇÕES NO FUNCIONAMNETO PSIQUICO

Inúmeros estudos hoje indicam que a diferença entre calorias ingeridas e calorias consumidas não formão uma equação tão simples assim. Esta equação é atravessada por questões de cunho inconsciente que  dificultam o processo de reeducação alimentar e consequentemente o emagrecimento.

As várias carências são nomeadas como fome, assim levando o indivíduo a se alimentar de forma e em quantidade diferente das que o organismo precisa.

Nestes casos dizemos que, a obesidade passa a ter uma “função” dentro da vida da pessoa, ou que a pessoa tem um ganho secundário em se manter gorda.

O que poderia ajudar a entender porque algumas pessoas apesar do bem-estar conquistado com o emagrecimento voltam a engordar ou não conseguem atingir suas metas quando o assunto é referente ao emagrecimento.

Abaixo segue a lista de alguns exemplos de função já descritos na literatura sendo atribuídos à obesidade.

EVITANDO SITUAÇÕES SOCIAIS: A pessoa pode usar a “desculpa de ser gorda” para evitar as situações que teme (freqüentar reuniões sociais, expor-se ao escrutínio alheio, fazer um novo curso, etc.). Na realidade, emagrecer representa perder um escudo que a defende das situações temidas.

O RECEIO DE  SER FELIZ : Existem pessoas que a simples menção da felicidade evoca ansiedade. Parece não se acharem merecedoras da felicidade e se sentem culpadas com essa possibilidade. O medo de ser feliz é uma das variantes ou conseqüências da baixa autoestima. Existem pessoas que perguntam a si mesmas e aos profissionais que a atendem “e se não der certo?”. Quais são os riscos envolvidos nesta nova situação?

EVITANDO EMOÇÕES NEGATIVAS: Estabelecemos uma fortíssima associação entre as nossas emoções e a comida, antes de nos darmos conta disso. Sentimos muito antes de pensar. A comida se constitui num “primeiro ansiolítico ou antidepressivo”. Mais tarde, na vida adulta, se não desenvolvermos outras estratégias para lidar com as emoções sejam elas negativas ou positivas, poderemos voltar àquelas que “deram certo” algum dia. Com sérios prejuízos. A resposta imediata de alívio de tensão e de ansiedade  faz com que se recorra à alimentação quando essas situações se fazem presentes.

“ESTRESSE”: Os excessos do cotidiano a que tentamos nos  adaptar na vida moderna, vem a cada dia nos tornando pessoas mais  propensas ao estresse. Se ainda juntarmos visões  pessoais distorcidas na forma de  avaliar a realidade, teremos uma grande  possibilidade  de  além do estresse inevitável da vida moderna, desenvolvermos atitudes que vão dar significado aos  termos “produção independente de estresse”.Uma das formas (errôneas) de lidar com o estresse é comer..

 • “OS RISCOS  DA  SENSUALIDADE”: Existem pessoas que temem a própria sensualidade. Temem a sedução, a sensação de falta de controle em relação aos próprios impulsos. A linha entre sensualidade e vulgaridade fica muito tênue na mente  dessas pessoas que podem engordar para constituir uma barreira “enfeiando-se”; saindo de cena..

“MANIFESTO  CONJUGAL” : O excesso de peso pode ainda ocupar o lugar de  discurso para  mulheres que protestam silenciosamente contra o marido por elas avaliado como infiel, dominante, possessivo e exteriorizam suas mágoas conjugais engordando e, assim  tornando pouco atraentes, defendendo-se da aproximação do mesmo.

VINCULOS  AMORES OBSESSIVOS: Algumas pessoas que se enredam em relacionamentos  destrutivos, entrando em crescente ansiedade na medida em que a relação progride como o ciúme doentio, necessidade de posse, agressividade, retaliação, sensação freqüente  de rejeição por vezes pode aliviar suas tensões nos  excessos  tanto de  comida como  de bebida.

O ENGOLIR SAPOS . São pessoas que apresentam como característica  baixa assertividade. Essas pessoas são eximias  “engolidoras” de  emoções em seus relacionamentos interpessoais. Não colocam limites, não dizem “não”, são muito concessivas mesmo em situações que não gostariam de ser.

Como vemos, os quadros relatados não serão “curados” com dieta e remédio! O tratamento aqui é principalmente  psicológico.

Thais Martins Santos

Psicóloga Clinlife

CRP 04/24638

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *