Antes prevenir do que remediar!

Estudos vêm apontando que se movimentar é um grande passo para diminuir os riscos de morte relacionados à atividade física, sete das dez principais causas de morte poderiam ser evitadas se o indivíduo se se exercita pelo menos cinco vezes na semana.

Veja aqui quais doenças podem ser prevenidas com um pouco de suor no dia a dia:

INFARTO

Com o treino predominantemente aeróbico o sangue que passa nas artérias com um volume maior que o normal fazem uma espécie de limpeza retirando de cena o LDL, aquele tipo de colesterol que financia a formação de placas nos vasos que, se não são cuidados de forma devida obstruem a circulação do sangue. Os exercícios resistidos também são fatores importantes, pois contribuem para que as artérias continuem jovens e saudáveis.

Recomendação: Realizar atividades predominantemente aeróbicas cinco vezes na semana. Caminhada, bicicleta, corrida, natação dentre outros.

AVC

O começo de um derrame vem exatamente por uma obstrução ou uma falta de flexibilidade pela placa de gordura acumulada o que são consequências típicas do sedentarismo e para que isso seja evitado aumentando a longevidade à atividade física faz com que aumente a vascularização cerebral proporcionando novos vasinhos na região o que incrementa o abastecimento sanguíneo.

Recomendações: Modalidades aeróbicas auxiliam a prevenir e se mais ao incluir atividades que necessitam de reflexos e tomadas de atitudes consegue ser mais eficaz.

INFECÇÕES PULMONARES

Doença que dificilmente fazem as pessoas saírem das suas camas pela dificuldade de respirar. “Sem movimentação há acumulo de secreções no pulmão, um banquete para as bactérias”, diz o pneumologista Elie Fiss, da faculdade de Medicina do ABC, na grande São Paulo. A ideia é que o exercício seja dosado para que em excesso não abale o seu sistema imunológico e aí sim o fazendo bem para o paciente aliviando as secreções.

Recomendações: Se movimentar mais do que cinco vezes na semana. Evitar ambientes secos ou frios e exercícios resistidos (musculação) são importantes.

DPOC

Quando alia a atividade física à terapia, o paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica melhora em 20% sua falta de ar diz estudos. O problema é que quem sofre com ela tem dificuldade até mesmo de fazer atividades leves e aí é importantíssimo procurar a ajuda de experts  no assunto. Um estudo feito no Concord Repatriation General Hospital, na Austrália mostra que o tai chi chuan é uma boa alternativa na DPOC. “Ele favorece a força muscular e a eficiência do pulmão”, afirma a autora Regina Leung.

Recomendações: Mesclar exercícios aeróbicos e de resistência no mínimo duas vezes por semana, 30’ minutos já é o suficiente.

AIDS

Hoje o maior risco para o soro positivo não são as infecções e sim as doenças cardiovasculares que o atacam após incessantes ingestões dos remédios para tentar conter o vírus da AIDS. Elevam as taxas de colesterol e gordura e com isso a atividade física vem sendo importantíssimo para os portadores estarem regulando esses níveis.

Recomendações: Efeitos crônicos são observados quando há uma atividade regular. Ideal a atividade ser controlada apor causa da carga viral e do coração.

CANCER NO TRATO RESPIRATÓRIO

Não há estudos afirmando que a atividade física tem influência direta com essa doença, mas assim como em todos os tipos de câncer o exercício consegue combater os sintomas: dor, fadiga, depressão e distúrbios do sono.

Recomendações: Treinos focados na flexibilidade e força são ideais para se proteger contra os sintomas

DIABETE

“O treino impede que o tecido adiposo cresça, freando os processos inflamatórios que interferem no trabalho da insulina”, diz a pesquisadora Fabiana Sant’anna Evangelista autora do experimento que testou exercícios em ratos com dieta rica em açúcar com ou sem atividade física.

Recomendações: Ao iniciar a prática esportiva ou se caso o indivíduo já for praticante o ideal é ajustar o medicamento de acordo com o nível de atividade física que está fazendo.

Pode-se perceber que a maioria das recomendações faz você se exercitar mais do que cinco vezes na semana e esse será o próximo assunto a ser tratado. Como fazer para conseguir essa meta e tornar um estilo de vida.

Roger Andrade – Educador Físico Clinlife

 Fonte: Revista SAUDE – Ed. Outubro 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *