Boazinha ou sem limite?

Uma pessoa que é bondosa sempre é admirada pelos que a rodeiam. O problema é que às vezes o que era para ser uma característica que facilite a convivência acaba por gerar um sentimento de injustiça, afinal na intenção de agradar a todos a pessoa tem dificuldade para colocar limites e acabam por se sentirem abusadas nas relações de convivência.

Neste tipo de convivência as dividas emocionais que são geradas adoecem as relações e por vezes até as inviabilizam.

Você já foi denominada como sendo  boazinha demais? Você concorda com essa denominação?

Observe algumas dicas que podem indicar que você é, de fato, uma pessoa boazinha em demasia.

1- Você nunca arrisca ser grosseiro, por isso jamais interrompe um tagarela, por mais atrasado que esteja.

2. O atendimento é péssimo, mas você opta sempre por não reclamar.

3. Você pediu o seu prato favorito no restaurante, mas ele veio errado, e você não fala nada para o garçom e come do jeito que veio.

4. Você costuma dar esmola sempre, caso contrário fica se sentindo mal.

5. “Pisam no seu pé”, mas é você que pede desculpa.

6. Você pega todos os folhetos na rua, ainda que não sejam do seu interesse, “pra ajudar o cara a ir pra casa mais cedo”.

7. Se você fica muito tempo numa loja, passa a sentir medo de que achem que você vai roubar algo.

8. Você tem uma extrema dificuldade em dizer “não”.

9. Você diz muito “pode ser”.

10. E “você que sabe”.

11. E “você que manda”.

12. Uma pessoa te pede um favor absurdo e abusivo, mas você diz que tudo bem. Ela ri de você e diz: “Tô brincando!!! rsrsrs”

13. Você confunde “ser sincero” com “ser agressivo”.

14. Nunca consegue dizer que não gostou. “E aí, o que você achou da minha banda?” “Nossa, muito boa!”

15. Você faz favores para os outros no trabalho ainda que isso vá atrapalhar o seu.

16. Você opta por evitar conflitos a qualquer custo.

17. Você gosta de ser assim, não tem problemas com a bondade.

Se você se encaixou em mais de 5 (cinco)  desses itens, está na hora de repensar a dose de sua bondade.
Tudo que é em excesso sobra e tudo que sobra não tem valor.

Saiba dar valor aos esforços e gestos que você faz.

Thais Martins Santos

Psicologa da Clinlife

CRP 04 24 638

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *