Cálcio: Importante Arma no Controle da Massa Corporal

Cada vez mais a obesidade tem sido reconhecida como um problema de origem multifatorial, onde estão envolvidos fatores ambientais, nutricionais, fisiológicos e genéticos. Dentro dessa complexidade, inúmeros estudos científicos atuais apontam para fatores cada vez mais específicos, na tentativa de encontrar saídas para esse problema de saúde pública.

Foi durante um desses estudos, que um efeito “antiobesidade” do cálcio proveniente nos laticínios foi observado. Essa investigação demonstrou que a maior ingestão de cálcio (entre 400-1000mg/dia) através da ingestão de 2 copos de iogurte diariamente, produzia diminuição na pressão arterial acompanhado por diminuição de 4,9kg em gordura corporal.

A explicação estaria na atuação dos hormônios calcitróficos (1,25(OH)2D e 1,25(OH)2D3), que respondem a menor ingestão de cálcio e exercem efeitos no metabolismo lipídico, aumentando a lipogênese e diminuindo a lipólise. A ação do hormônio 1,25(OH)2D3 ocorre no receptor do adipócito, onde há inibição da proteína UCP2, responsável pela oxidação lipídica. Sem a oxidação, ocorre a lipogênese e a formação de adipócitos e gordura. O gene agouti é o fator responsável pela lipogênese e o aumento da adiposidade.

No entanto, quando há aumento da ingestão de cálcio, os hormônios do metabolismo do cálcio (1,25 (OH)2D, 1,25(OH)2D3) são suprimidos para controle e feedback negativo. A lipogênese é inibida e a lipólise ocorre. Então, o acúmulo de lipídios é evitado, e a porcentagem de gordura diminui.

Sabemos, portanto, que a presença de cálcio na dieta, principalmente através da ingestão de laticínios (3-4 porções diárias), gera um efeito “antiobesidade” através de diversas reações, inibindo ou estimulando o metabolismo lipídico. Os diversos estudos observacionais em animais e humanos nos mostram que a perda de gordura e massa corporal são reais e visíveis, cada vez que a quantidade ingerida de cálcio aumenta.

Mais uma vez nos é mostrada a importância do cálcio na nossa dieta, através da ingestão de leite e derivados, que são importantes fontes desse mineral.

Fonte: www.rgnutri.com.br

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *