Corpo Perfeito: Alimentação x Atividade Física

Em busca de um “corpo perfeito” com o aumento de músculos e perda de gordura, muitas pessoas iniciam dietas loucas, tratamentos rígidos, atividades físicas exaustivas na esperança de atingir o patamar idealizado.

Para quem busca a definição muscular e o ganho de massa, a crença das dietas hiperprotéicas, ou seja, aquelas em que o consumo de proteínas é aumentado e por vezes, exagerado, são as mais aderidas. Muitas vezes sem qualquer orientação e acompanhamento de nutricionista e educador físico, o individuo coloca sua saúde em risco, se expondo a condutas equivocadas e na maioria das vezes falha.

A alimentação de um praticante de atividade física, seja atleta ou não, deve ser diferenciada, em função do gasto energia e das necessidades de nutrientes especiais, fundamentais ao bom desempenho do reparo e síntese muscular.

Existe sim uma crença popular que o consumo de proteínas é o fator mais importante no aumento de força e ganho de massa. O aumento de seu consumo, sem orientação adequada, de suplementos de proteínas e aminoácidos tem atingido níveis estratosféricos e vem substituindo uma boa alimentação pela falsa promessa de seus efeitos anabolizantes.

Mais importante que a quantidade de proteína consumida, é o fator qualidade deste nutriente e sua adequação quantitativa ao peso corporal e perfil corporal metabólico personalizado e à atividade física praticada.

Horários de alimentação, fracionamento e tipos de escolhas alimentares nos momentos exatos do dia, são essenciais para o bom desempenho físico e ganho de massa muscular.

A estratégia de suplementação é forte aliada da conduta alimentar, otimiza a chegada aos objetivos, mas sozinha e sem orientação podem fazê-lo rasgar dinheiro e expor sua saúde a riscos.

O treinamento resistido é considerado a atividade física mais eficiente na modificação da composição corporal pelo aumento da massa muscular. Mas estas modificações dependem de algumas semanas (normalmente no mínimo 03 semanas) e de boa orientação e conduta do profissional da área para começarem a ficar evidentes, então a paciência e a dedicação também são importantes variáveis do processo de mudança.

As necessidades nutricionais devem ser avaliadas em termos calóricos, de acordo com o perfil corporal, metabolismo e gasto energético diário de cada pessoa, dependendo dos objetivos e tempo disponível.

Na maioria das vezes, os praticantes de atividade física minimizam o consumo de carboidratos em detrimento ao aumento de consumo protéico, que normalmente vem associado ao aumento no consumo de gorduras saturadas. Todo este desequilíbrio gera transtornos ao metabolismo, podendo ter como resposta o aumento de peso, mas não em massa muscular.

As gorduras são essenciais ao praticante de atividade física, pois sem ela não absorvemos a vitamina D, por exemplo, que é essencial para absorção do Cálcio que por sua vez é essencial à contração muscular e ganho de desempenho.

Já carboidratos são essenciais para elevar os níveis de insulina que são importantes para facilitação da absorção de aminoácidos.

Evidentemente o aporte protéico, sua qualidade e adequação quantitativa bem como suplementação orientada é de grande valia para otimização dos resultados, mas o consumo de proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais e principalmente água são fundamentais para o bom desempenho do metabolismo físico e ganho de força muscular.

Portanto, não devemos excluir da alimentação nenhum nutriente sem orientação e acompanhamento.

Alcimara Macieira

CRN: 4284

Nutricionista – Clinlife

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *