Cuidado com o que você come: Agrotóxicos

Quase um terço dos vegetais mais consumidos pelos brasileiros apresentam resíduos de agrotóxicos em níveis inaceitáveis, de acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O que vem do campo pode não ter apenas nutrientes, mas também resíduos dos produtos usados para proteger as plantações. Agrotóxico em excesso ninguém quer.

A maioria dos agricultores também não respeita o prazo de carência dos praguicidas, tempo em que o princípio ativo permanece agindo na planta. Com isso, a população acaba ingerindo um alimento que ainda está sob o efeito do produto. É um grande risco, visto que parte dos princípios ativos utilizados nas formulações dos praguicidas possuem propriedades genotóxicas, que podem causar alterações nas unidades que controlam a hereditariedade entre as gerações.

Como o efeito é cumulativo, a longo prazo surgem conseqüências relacionadas, principalmente, com problemas no sistema nervoso, doenças cancerígenas ou alterações fetais, já comprovados por estudos da área médica. Tais propriedades deveriam ser levadas em consideração pelo Ministério da Saúde na hora de aprovar o registro dos agrotóxicos e classificar seu grau de toxicidade.

Efeitos na saúde da ingestão dos agrotóxicos:

A ingestão de comida com excesso de agrotóxicos de forma prolongada pode causar câncer, e como já dito acima, problemas neurológicos e malformação fetal.

Pesquisas recentes mostram a relação da exposição a essas substâncias com doenças do sistema nervoso.

Em 2010, a Academia Americana de Pediatria fez uma pesquisa com 1.100 crianças e constatou que as 119 que apresentaram transtorno de déficit de atenção tinham resíduo de organofosforado (molécula usada em agrotóxicos) na urina acima da média de outras crianças.

É preciso salientar que sintomas inespecíficos (dor de cabeça, vertigens, falta de apetite, falta de forças, nervosismo, dificuldade para dormir) presentes em diversas patologias, freqüentemente são as únicas manifestações da intoxicação por agrotóxicos, razão pela qual raramente se estabelece esta suspeita diagnóstica. A presença desses sintomas em pessoas com história de exposição a agrotóxicos deve conduzir à investigação diagnóstica de intoxicação.

Em 2010, foi usado 1 milhão de toneladas de agrotóxicos em lavouras do país. Ou seja, 5 kg por brasileiro.

Veja baixo a quantidade em porcentagem que cada alimento contém de contaminação, de acordo com ANVISA.

Lista da ANVISA dos alimentos com maior nível de contaminação

1        Pimentão        91,8%

2        Morango         63,4%

3        Pepino            57,4%

4        Alface             54,2%

5        Cenoura          49,6%

6        Abacaxi           32,8%

7        Beterraba        32,6%

8        Couve            31,9%

9        Mamão           30,4%

10       Tomate          16,3%

11       Laranja          12,2%

12       Maçã              8,9%

13       Arroz            7,4%

14       Feijão           6,5%

15       Repolho        6,3%

16       Manga          4%

17       Cebola         3,1%

18       Batata           0%

Déborah Pessoa de Mendonça

CRN: 6854

Nutricionista Clinlife

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *