Emagreça prevenindo a flacidez

A flacidez é  decorrente da diminuição da tonicidade da pele (tecido conjuntivo que é formado por colágeno, elastina e fibroblastos) e engordar e emagrecer bruscamente não ajuda, além de prejudicar a saúde. É umaalteração muito comum da pele e afetam, em graus variáveis, a estética, o bem estar e a auto-estima de grande número de mulheres. Entre as causas do surgimento da flacidez está o emagrecimento.

O problema é que em geral a redução de gordura não é acompanhada pela pele, fazendo com que ela fique excedente no local. Quando diminui-se muito a gordura a pele não se retrai na mesma velocidade causando a flacidez.

Os músculos ficam flácidos principalmente por causa da falta de exercícios físicos, se não são usados, ficam atrofiados e flácidos. Já a flacidez da pele ocorre quando as fibras de colágeno e elastina são afetadas pela falta de nutrientes ou oxigenação.

Como a pele é a camada mais externa do corpo, é preciso ter vasos sanguíneos fortes e saudáveis para que todos os nutrientes cheguem adequadamente até ela. É por isso que mulheres que reclamam de flacidez e celulite frequentemente possuem aqueles pequenos vasos sanguíneos danificados chamados microvarizes. Estes sinais são a maneira do corpo dizer que as células da pele e o tecido conjuntivo estão “com fome” e “com sede”.

Hoje se sabe que a nutrição exerce um papel importante na formação destas condições e a correção dos hábitos alimentares previne sua evolução e proporcionam uma melhora considerável do quadro.

Uma ingestão balanceada de nutrientes é necessária para os fibroblastos sintetizarem o pré-colágeno e depois o pró-colágeno. Isto é baseado em evidências científicas, que apontam o aumento da síntese de colágeno pelos fibroblastos.

Os principais marcadores nutricionais que a ciência tem apontado para manter uma pele lisa, macia e hidratada é ter na dieta a presença dos aminoácidos glicina e prolina, além de outros aminoácidos e cofatores, como Zn e as vitaminas C e D.

Maior ingestão de frutas e verdura de cor vermelha e laranja. Esses alimentos são ricos em vitamina C, essenciais para a produção de colágeno.

– Glicosaminas: são componentes do ácido hialurônico, um hidratante natural do nosso corpo. À medida que envelhecemos, nosso organismo produz cada vez menos essa substância, e sua suplementação ajuda a pele ficar mais hidratada e flexível;

– Aminoácidos: são importantes para construir e reparar o colágeno e a elastina dos vasos sanguíneos que levam os nutrientes à pele. A carcinina (também conhecida como glycoxil) é um aminoácido que impede a destruição de colágeno.

– Ácidos graxos essenciais – AGE: são os principais carregadores de água para o tecido conjuntivo;

– Vitamina B e minerais (zinco e silício): ajudam nosso metabolismo a transformar a glicosamina, os aminoácidos e os ácidos graxos essenciais em tecido conjuntivo novo e saudável;

– Lecitina: as paredes das células são feitas de lecitina e lipídeos. Uma dieta rica em lecitina e AGEs não só reconstroem as paredes celulares como também atraem a água perdida de volta pra elas.


Atenção especial deve ser dada à ingestão de água. Principal responsável por hidratar a pele, a água também é essencial para que o organismo absorva de forma correta os nutrientes vindos da alimentação.

Tão importante quanto escolher os alimentos certos é conhecer quais são prejudicais à qualidade de uma pele saudável. Embora não sejam proibidos, alguns alimentos como refrigerantes, açúcar, frituras e empanados, gordura trans e de origem animal, fast-food, alimentos embutidos, defumados e ricos em sódio são muito tóxicos à pele e devem ser evitados.

Uma avaliação nutricional é essencial, pois por meio dela é possível diagnosticar excessos e deficiências e, assim, minimizar o envelhecimento celular com uma alimentação saudável e suplementação da combinação correta dos nutrientes essenciais ao organismo.

 

Déborah Pessoa

Nutricionista Clinlife

CRN: 6854

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *