Exercício X Síndrome Metabólica

Atualmente ouve-se muito falar em síndrome metabólica. Embora seja uma nomenclatura razoavelmente recente, não é algo novo. Mas o que é isso? A síndrome Metabólica corresponde a um conjunto de doenças associadas, tais como: hipertensão, alterações na glicose ou o diabetes, alterações no colesterol e a obesidade abdominal, relacionados com a resistência à insulina.

Tudo bem… Agora vamos entender o que é resistência à insulina… De uma forma geral, é o seguinte: quando ingerimos um alimento nosso pâncreas libera um hormônio chamado insulina na corrente sanguínea, que tem como função principal levar a glicose da corrente sanguínea para dentro das nossas células para produzir energia, sintetizar proteínas ou ser armazenada em forma de gordura.  Na maioria das vezes, quando passamos por situações onde secretamos insulina em grande quantidade ou de forma inadequada, os receptores das células onde a insulina se ligaria tornam-se ”resistentes”, ou seja, eles passam a não “reconhecer mais a insulina”, o que dificulta a ação desse hormônio, que leva às manifestações da síndrome. Muitas vezes a síndrome metabólica leva à obesidade e doenças coronarianas e o contrário também acontece, é uma via de mão dupla!

Sabendo disso, foram realizadas pesquisas na área da fisiologia do exercício para verificar se o exercício resultaria em resposta positiva na diminuição dos fatores que contribuem para a instalação da síndrome metabólica bem como seu tratamento. Elas demonstraram que indivíduos com resistência à insulina melhoram a sensibilidade logo após a primeira sessão de exercício, comprovando que o exercício físico apresenta tanto um efeito agudo como um efeito crônico sobre a sensibilidade à insulina. Os benefícios do exercício físico sobre a sensibilidade à insulina ocorreram tanto com o exercício aeróbio como com exercício anaeróbio.  A forma como o mecanismo dessas modalidades de exercícios atuam parece ser diferente, o que sugere que as duas modalidades devam ser associadas.

A adoção de um estilo de vida saudável é fundamental: evitando o fumo, realizando exercícios físicos, diminuindo o percentual de gordura e moderando o uso de álcool, tanto para a melhoria dos fatores predisponentes quanto para a prevenção da síndrome. Em alguns casos o uso de medicação é indispensável. Por isso é importante se cuidar!!! Visitar seu médico regularmente e incorporar o quanto antes em seu cotidiano hábitos de vida saudáveis, tais como: alimentação orientada, frequência na prática dos exercícios, descanso adequado e equilíbrio mental, físico e emocional!!!

Isabel Cristina 

CREF 19464/G-MG

Profissional de Educação Física 

Clinlife

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *