Gorduras boas e ruins

Tem aumentado muito o interesse e preocupação das pessoas em relação à alimentação e as propriedades dos alimentos consumidos. Elas geralmente buscam as informações nos rótulos dos alimentos, mas será que sabem interpretar as diferenças?

Em se tratando de gorduras temos três classificações principais, são elas:

Gorduras trans: é obtida a partir de um processo de industrialização denominado hidrogenação, feito a partir da gordura hidrogenada. Esse processo foi desenvolvido com a intenção de deixar os alimentos mais saborosos, crocantes e ainda aumentar a validade dos produtos.  O problema é que o corpo não reconhece a gordura trans e acaba armazenando-a. Isso pode levar futuramente ao surgimento de doenças crônicas como dislipidemias, diabetes e cardiopatias.

Gordura saturada: em temperatura ambiente, encontra-se na forma sólida ou semi-sólida e geralmente é de origem animal (leite e derivados, por exemplo) e algumas fontes vegetais (óleo de palma e de coco). Deve ser consumida sim, porém, com moderação para não gerar desequilíbrio na relação entre o colesterol HDL e o LDL, respectivamente, o colesterol “bom” e o “ruim”.

Gordura insaturada: é mais saudável e benéfica. É classificada em monoinsaturada (MUFA), como o azeite de oliva e poli-insaturada (PUFA) como o óleo de peixe – ômega 3. Geralmente é encontrada na forma líquida em temperatura ambiente.

As gorduras insaturadas desenvolvem importante função de proteção cardiovascular e cerebral.

Alguns alimentos de origem vegetal como óleo de linhaça, chia e nozes são fontes vegetais de gordura poli-insaturadas.  Já os peixes de águas salgadas como salmão, sardinha e arenque são ótimas fontes animais de gorduras insaturadas, em especial o EPA e DHA (constituintes do ômega 3). Os alimentos fontes de gorduras monoinsaturadas são azeitonas, sementes oleaginosas (castanhas, nozes, abóbora, chia) e abacate.

O consumo regular das gorduras insaturadas é essencial ao bom funcionamento do organismo. O ideal é incluir diariamente alimentos fontes de gorduras insaturadas e evitar o consumo de alimentos que contenham gorduras trans. A suplementação com EPA e DHA também é muito importante, converse com seu nutricionista para saber qual é o mais indicado para você!

Fernanda R. Andrade

Nutricionista Clinlife

CRN 11.100

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *