Mens sana in corpore sano (Mente sã, corpo são)

As mais famosas palavras do poeta romano Juvenal ganharam vários significados ao longo do tempo, e um deles condiz ao nosso tema em questão: o equilíbrio entre o bem-estar físico e psíquico.

Há quem ainda entenda que a ausência de doenças, sejam visíveis ou não, é suficiente para se considerar saudável. Mas nossa saúde vai muito – muito mesmo – além desse diagnóstico.

A relação entre as atividades físicas e nossas condições psicológicas é evidente, influenciando consequentemente no nosso bem-estar social. Dentre inúmeros benefícios proporcionados pela atividade física, está essa capacidade de promover aspectos psíquicos também saudáveis.

Tais aspectos podem ser alcançados porque todas as experiências são vivenciadas, ao mesmo tempo, pelo corpo e pela mente. Cada experiência física é acompanhada por uma experiência mental. Mas como? Existem vários hormônios produzidos pelo nosso corpo durante as atividades físicas que auxiliam na sensação de bem-estar, de uma forma bem ampla:

– Acetilcolina: auxilia no controle do tônus muscular, no aprendizado e nas emoções, além de estar associado à concentração e memória.

– Endorfina: atua como calmante natural e alivia a sensação de dor.

– Dopamina: age como executor de movimentos suaves e controlados. A baixa quantidade desse neurotransmissor pode acarretar em pensamentos incoerentes, sintoma comum na esquizofrenia. Também é responsável pelo sentimento de euforia, pode diminuir dores localizadas e aumentar a sensação de prazer.

– Noradrenalina: está presente nos processos que auxiliam na boa memória e na atenção.

– Serotonina: estimula os batimentos cardíacos, ajuda na fase inicial do sono e no combate contra a depressão. É precursor da melatonina, hormônio regulador do relógio biológico.

Já que tocamos no tema depressão, vale lembrar que os antidepressivos são reguladores dos níveis de neurotransmissores, especialmente serotonina, noradrenalina e dopamina. Todas estas substâncias estão envolvidas na regulação do humor e também são liberadas durante as atividades físicas.

Por meio do mecanismo biológico, a atividade pode atuar como um psicoestimulante leve e antidepressivo. O sistema motor, ao ser estimulado, pode promover alterações nos sistemas de neurotransmissão.

Estas alterações, associadas à melhoria de aptidão física, levam à atenuação dos sintomas depressivos. Quanto ao mecanismo psicológico, os efeitos são associados positivamente à percepção do sentimento de capacitação e valorização individual, à distração e ao desempenho cognitivo. Nesse sentido, as atividades lúdicas podem trazer um impacto muito positivo.

Assim, a prática regular de atividades físicas, com orientação de profissionais capacitados, maximiza capacidades funcionais para as atividades do dia a dia, propicia o bem estar geral, contribui para a integração social e a produtividade. Encontre seu prazer nos exercícios compartilhe suas experiências.

Roupa confortável, tênis no pé e… viva melhor.

Juliana Lopes

Educadora Física Clinlife

CREF.: 023962-G/MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *