Metade da população Brasileira tem excesso de peso!

Praticamente metade, ou seja, 49% da população brasileira têm excesso de peso, revelam dados da pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), divulgada nesta terça-feira (10) pelo Ministério da Saúde. O número aumentou em relação aos resultados anteriores: em 2006, a proporção era de 42,7%. No mesmo período, o percentual de obesos subiu de 11,4% para 15,8%.

Indivíduos com sobrepeso são aqueles que têm o Índice de Massa Corporal (IMC) entre 25 e 29,9 kg/m² (a definição não vale para crianças, idosos ou gestantes). Já são considerados obesos os que têm 30 kg/m² ou mais. O IMC é obtido dividindo-se o peso da pessoa pela altura ao quadrado.

O levantamento, divulgado anualmente pelo Ministério, traz um diagnóstico da saúde do brasileiro a partir de questionamentos sobre os hábitos da população, como tabagismo, consumo abusivo de bebidas alcoólicas, alimentação e atividade física. A pesquisa coletou informações nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal e contou com mais de 54 mil pessoas, entrevistadas em 2011.

O aumento da obesidade e do excesso de peso atinge tanto a população masculina quanto a feminina. Em 2006, 47,2% dos homens e 38,5% das mulheres estavam acima do peso, enquanto que, em 2011, as proporções passaram para 52,6% e 44,7%, respectivamente. “Homens com mais anos de estudo apresentam maior grau de obesidade e excesso de peso”, comentou o secretário de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa.

Excesso de peso e obesidade nas capitais

Capitais/DF % pessoas com sobrepeso % de obesos
Porto Alegre 55,4 19,6
Fortaleza 53,7 18,4
Maceió 53,1 17,9
Natal 52,3 18,5
Manaus 51,8 17,8
Cuiabá 51,7 17,2
Macapá 51,2 21,4
Curitiba 50 16,2
João Pessoa 49,8 14,2
Rio de Janeiro 49,6 16,5
Campo Grande 49,3 18,1
Porto Velho 49,2 16,4
Distrito Federal 49,1 15
Boa Vista 48,6 13
Florianópolis 48,2 14,9
Rio Branco 48,1 17,1
São Paulo 47,9 15,5
Vitória 47,3 14,8
Recife 47,1 14,8
Goiânia 47 13,3
Belém 45,7 13,2
Belo Horizonte 45,3 14,2
Salvador 44,8 14,9
Teresina 44,5 12,8
Aracaju 44,5 39,8
Palmas 40,3 12,5
São Luís 39,8 12,9

Porto Alegre foi a capital com maior proporção de pessoas acima do peso (55,4%), seguida de Fortaleza (53,7) e Maceió (53,1). Já as capitais com maiores índices de obesidade foram Macapá (21,4%),  Porto Alegre (19,6%) e Natal (18,5%).

Ganho de peso com a idade

O envelhecimento, segundo os dados, tem forte influência na obesidade. Entre os homens, o problema do excesso de peso começa cedo e atinge 29,4% dos que têm entre 18 e 24 anos. Entre homens de 25 a 34 anos, o índice quase dobra, chegando a 55%. Dos 35 aos 45 anos, o percentual é de 63%.

Entre as mulheres, 25,4% entre 18 e 24 anos estão acima do peso. A proporção aumenta para 39,9% dos 25 aos 34 anos e chega a 55,9% dos 45 aos 54 anos.

Em relação à obesidade, 6,3% dos homens de 18 a 24 anos se encaixam nessa categoria, contra 17,2% dos homens de 25 a 34 anos. Entre as mulheres, 6,9% das que têm de 18 a 24 anos são obesas. O índice quase dobra entre mulheres de 25 a 34 anos (12,4%) e quase triplica entre 35 e 44 anos (17,1%). Após os 45 anos, a frequência da obesidade se mantém estável, atingindo cerca de um quarto da população feminina.

A pesquisa mostra como fator de risco o grande consumo de refrigerantes, carne e leite integral, que é rico em gorduras. Por outro lado, a pesquisa também mostra que o nível de escolaridade interfere positivamente nos hábitos alimentares. “Quem tem mais de 12 anos de escolaridade, consume mais hortaliças.

Se não quisermos chegar ao patamar dos Estados Unidos, que tem mais de 25% da população obesa, agora é a hora de agir“, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ele acredita que o acordo com a indústria de alimentos para redução de gordura, assim como o acordo recente feito com escolas para a promoção da alimentação saudável, são medidas que devem ter impacto na tendência de obesidade no futuro.

E você, o que está fazendo para não ficar com sobrepeso ou obesidade?

Texto do site do Conselho Regional de Nutricionista 9ª Região

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *