Não coloque suas emoções no prato

Você já parou para pensar como estão suas emoções e se você tem as levado ao prato? A compulsão alimentar motivada por razões emocionais é uma grande causa de obesidade no mundo, diante disso é importante pensar qual seria o papel da comida em nossa vida? Será que vemos os alimentos com fonte nutrientes necessários para suprir o funcionamento do nosso organismo ou como um substituto do afeto?

Muitas vezes adotamos a comida como parte das nossas relações pessoais pois sempre comemos quando vamos fazer uma visita na casa alguém, quando encontramos com amigos, quando vamos ao cinema, quando vamos à escola, nas datas comemorativas, quando vamos sair com namorado(a) ou esposo(a). Percebemos que em todos estes momentos que fazem parte do nosso dia-a-dia sempre costumamos ver a comida como fator primordial nestes encontros e se torna algo tão normal que as emoções vividas nestas experiências ficam guardadas e os sentimentos associados ao alimento.

A relação entre comida e emoção pode nos levar a interligar ao alimento um valor bem maior do que o de suprir o nosso corpo com os nutrientes necessários para nos dar energia. O que percebemos é que quando alguma frustração acontece, algumas pessoas buscam na comida um alívio e o alimento passa a ter uma função afetiva para aquela pessoa, podendo significar amor, carinho, prazer, etc.

Por que será que optamos por um determinado alimento ao invés de outro? As nossas escolhas alimentares também expressam muito sobre as nossas emoções. Cada pessoa tem uma forma de lidar com as suas próprias emoções, e isto influencia nas nossas escolhas.

As emoções são influenciadas pela nossa percepção individual de mundo, que estão sendo construídas a partir de nossas experiências ao longo da vida. E como o ato de comer faz parte das relações e experiências que vivemos, as escolhas destes alimentos também mudam de acordo com as nossas emoções. Por isso é interessante observar as emoções que nos dominam e de que forma estas emoções podem estar interferindo na sua alimentação.

Em alguns hábitos alimentares vemos que as emoções estão exercendo grande domínio na vida da pessoa, sendo observados distúrbios alimentares por comportamentos compulsivos e excessivos, para mais ou para menos, o que geram muitos problemas e indicam um desequilíbrio emocional sendo necessário que a pessoa procure uma ajuda o quanto antes.

Busque equilíbrio entre sua mente e a sua alimentação, seja qual for a sua escolha alimentar pense no que vai contribuir para sua qualidade de vida. E se você perceber que algo não vai bem busque profissionais que possam lhe ajudar pois o ato de comer deve oferecer prazer e satisfação tanto para o corpo quanto para a mente!

Petrina Gomes de Lima

Psicóloga Clinlife

CRP 04/28095

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *