O caminho mais Fácil

Na última semana saiu uma notícia nos jornais sobre uma nova invenção que promete ser a solução para os problemas de quem quer perder peso e não consegue. A chamada “pílula da refeição imaginária” foi tema de destaque na imprensa mundial. A fexaramine, nome que foi dado à pílula, age exclusivamente no aparelho digestivo e funciona assim: ela engana o cérebro. O remédio estimula a liberação de um hormônio que avisa ao cérebro que o corpo já está abastecido, mesmo que a pessoa não tenha comido nada. E a partir daí, começa o processo que vai levar ao emagrecimento. Por enquanto este medicamento ainda está sendo testado em humanos e irá demorar alguns anos para chegar ao mercado para consumo. (Fonte Portal G1 do site do Programa Fantástico)

A reportagem trouxe inúmeros depoimentos de pessoas que precisam perder peso e que acharam a novidade ótima.

É fato que o mundo está mais pesado e vem crescendo o número de pessoas com sobrepeso e, consequentemente, doenças associadas a esse estilo de vida. Faz-se sim necessário encontrar novas formas de reverter esse processo e proporcionar mais saúde à população.

No entanto me preocupa a imediaticidade e facilidade com que as pessoas querem alcançar seus objetivos. Essa não é a primeira droga desenvolvida que promete ser a solução para a perda de peso rapidamente. Não cabe a mim, avaliar os benefícios ou malefícios da mesma, pois não tenho o devido conhecimento. O que quero trazer à tona é a busca incessante por soluções rápidas e mágicas. O excesso de peso não acontece de um dia para o outro, é um processo de meses, então a sua eliminação deveria também seguir esse ritmo.

As tecnologias de hoje são desenvolvidas com o intuito de nos poupar tempo. Porém, acelerar os processos nos faz perder a noção de como eles são realizados e de porque acontecem. Não podemos perder de vista as raízes dos nossos problemas, podemos podar as folhagens, mas elas sempre vão crescer.

Este é o alerta que quero fazer. Seja a “pílula da refeição imaginária”, sejam dietas muito restritivas ou intervenções cirúrgicas; tudo deve ser usado com consciência e analisado bem as conseqüências de tal uso. Peça a opinião de um profissional qualificado antes de qualquer coisa e seja crítico diante das opções fáceis que lhe são ofertadas. O caminho mais fácil, nem sempre é o mais seguro.

Iana Pechir

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/35355

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *