Neurotransmissores e a vontade de comer doces

 

Você passar o dia todo seguindo “religiosamente” a dieta, mas, quando chega o fim da tarde, bate aquela vontade de atacar um docinho ou mesmo aquela vontade incontrolável de comer um pão, massa ou chocolate? Ou é uma daquelas pessoas que só de olhar alguma dessas guloseimas já sente a boca salivar e cai em tentação? Ou no período pré Menstrual não consegue ficar sem o chocolate.  Pois bem saiba que existe uma explicação para esse fato: o nível de serotonina diminui nestes momentos, o que estimula a vontade de comer doces. A origem da vontade por doces está intimamente relacionada ao nosso cérebro e para ser mais precisa a esse  neurotransmissor.  A questão é que quando comemos alimentos açucarados nosso cérebro estimula a produção da serotonina que está intimamente relacionada à sensação de bem-estar. Como todas as pessoas gostam de ficar mais alegres e dispostas, é natural que busquemos estimular toda hora a liberação de serotonina! Por isso podemos perceber pessoas que quando ficam ansiosas parecem desenvolver uma boquinha nervosa ou mesmo pessoas que depois que terminam um relacionamento, se escondem atrás de uma montanha alimentos açucarados tentando amenizar sua dor.  Uma taxa de serotonina dentro dos padrões de normalidade facilita na sensação de saciedade e bem estar uma vez que sabemos que algumas vezes não se tem fome, mas sim apetite e este é da ordem do desejo e não uma necessidade  puramente fisiológica.
O desejo de comer doces é sinal de que seu organismo está com queda de açúcar no sangue (hipoglicemia), que faz com que o desejo por doce fique ainda maior. O organismo torna-se vítima de um efeito gangorra, no qual os níveis de açúcar no sangue sobem e descem desequilibradamente.

O açúcar e a farinha refinada por exemplo, provocam aumento rápido da glicose, em consequência disso provoca uma queda rápida também. Isso faz  crescer a vontade de ingerir mais esses alimentos gerando a compulsividade alimentar. Os sintomas dessa gangorra  podem ficar além da vontade de comer doces como fadiga, cansaço, sonolência durante o dia, preguiça, dor de cabeça, enxaqueca, suores e tremores em casos mais graves.

Alem da relação com a serotonina, a resistência a insulina, aumento do hormônio do estresse, o cortisol e pelo fato de haver algumas deficiências de ácido fólico, magnésio, zinco, vitamina B6, B9, B12, triptofano e outros estão associados a questão dessa vontade incontrolável de carboidratos.

O pico da produção de serotonina ocorre pela manhã e depende da ingestão de diversos nutrientes. Ao longo do dia a quantidade deste neurotransmissor diminui progressivamente. Se, durante a manhã, você não ingeriu os nutrientes necessários para produzir a serotonina, os níveis ao final do dia ficam muito baixos, e aí vem a vontade incontrolável de comer doces.

A solução para evitar esta resposta fisiológica tão indesejada pode estar no seu café da manhã! Devemos caprichar na ingestão dos nutrientes responsáveis pela produção de serotonina como triptofano, vitamina C, B6, B12, ácido fólico, magnésio, selênio, zinco e ômega 3 principalmente no café da manhã e no lanche da manhã. Os alimentos fontes desses nutrientes são: ovos, carnes magras (triptofano e B12), banana, aveia, pão integral (B6), frutas cítricas (Vit C), vegetais verde escuros (ácido fólico e magnésio), castanhas, nozes, amêndoas (zinco e selênio), semente ou óleo de linhaça e peixes (ômega 3).

Além disso, existem alguns micronutrientes que auxiliam na captação da glicose através da potencialização da insulina, por exemplo, o cromo, magnésio e manganês. O consumo exagerado de alimentos refinados (principalmente a farinha de trigo branca e o açúcar refinado) causa a diminuição desses minerais no organismo, que faz gerar mais vontade de consumir esses alimentos, desencadeando um ciclo vicioso. Além da alimentação, o sol também tem influencia na produção de serotonina.. Isso porque quando os raios penetram em nossos olhos, ativam a produção desse neurotransmissor. Por isso seria importante tomar alguns minutos de sol, especialmente pela manhã. Vale mencionar também a melatonina que é um hormônio produzido pelo organismo que influencia a regulação do sono. Ela é produzida pelo organismo naturalmente quando anoitece, de forma mecânica e em resposta ao escuro da noite.

Corpo Perfeito: Alimentação x Atividade Física

Em busca de um “corpo perfeito” com o aumento de músculos e perda de gordura, muitas pessoas iniciam dietas loucas, tratamentos rígidos, atividades físicas exaustivas na esperança de atingir o patamar idealizado.

Para quem busca a definição muscular e o ganho de massa, a crença das dietas hiperprotéicas, ou seja, aquelas em que o consumo de proteínas é aumentado e por vezes, exagerado, são as mais aderidas. Muitas vezes sem qualquer orientação e acompanhamento de nutricionista e educador físico, o individuo coloca sua saúde em risco, se expondo a condutas equivocadas e na maioria das vezes falha.

A alimentação de um praticante de atividade física, seja atleta ou não, deve ser diferenciada, em função do gasto energia e das necessidades de nutrientes especiais, fundamentais ao bom desempenho do reparo e síntese muscular.

Existe sim uma crença popular que o consumo de proteínas é o fator mais importante no aumento de força e ganho de massa. O aumento de seu consumo, sem orientação adequada, de suplementos de proteínas e aminoácidos tem atingido níveis estratosféricos e vem substituindo uma boa alimentação pela falsa promessa de seus efeitos anabolizantes.

Mais importante que a quantidade de proteína consumida, é o fator qualidade deste nutriente e sua adequação quantitativa ao peso corporal e perfil corporal metabólico personalizado e à atividade física praticada.

Horários de alimentação, fracionamento e tipos de escolhas alimentares nos momentos exatos do dia, são essenciais para o bom desempenho físico e ganho de massa muscular.

A estratégia de suplementação é forte aliada da conduta alimentar, otimiza a chegada aos objetivos, mas sozinha e sem orientação podem fazê-lo rasgar dinheiro e expor sua saúde a riscos.

O treinamento resistido é considerado a atividade física mais eficiente na modificação da composição corporal pelo aumento da massa muscular. Mas estas modificações dependem de algumas semanas (normalmente no mínimo 03 semanas) e de boa orientação e conduta do profissional da área para começarem a ficar evidentes, então a paciência e a dedicação também são importantes variáveis do processo de mudança.

As necessidades nutricionais devem ser avaliadas em termos calóricos, de acordo com o perfil corporal, metabolismo e gasto energético diário de cada pessoa, dependendo dos objetivos e tempo disponível.

Na maioria das vezes, os praticantes de atividade física minimizam o consumo de carboidratos em detrimento ao aumento de consumo protéico, que normalmente vem associado ao aumento no consumo de gorduras saturadas. Todo este desequilíbrio gera transtornos ao metabolismo, podendo ter como resposta o aumento de peso, mas não em massa muscular.

As gorduras são essenciais ao praticante de atividade física, pois sem ela não absorvemos a vitamina D, por exemplo, que é essencial para absorção do Cálcio que por sua vez é essencial à contração muscular e ganho de desempenho.

Já carboidratos são essenciais para elevar os níveis de insulina que são importantes para facilitação da absorção de aminoácidos.

Evidentemente o aporte protéico, sua qualidade e adequação quantitativa bem como suplementação orientada é de grande valia para otimização dos resultados, mas o consumo de proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais e principalmente água são fundamentais para o bom desempenho do metabolismo físico e ganho de força muscular.

Portanto, não devemos excluir da alimentação nenhum nutriente sem orientação e acompanhamento.

Alcimara Macieira

CRN: 4284

Nutricionista – Clinlife

Afinal, o que é ômega 3?

O ômega 3 é um tipo de gordura do bem conhecida como ácido graxo essencial que atua na promoção e manutenção da saúde prevenindo o surgimento de doenças.

O corpo humano não produz o ômega 3. Sendo assim, ele precisa estar presente na rotina diária seja por meio da alimentação ou suplementação. Vale ressaltar que é importante ter uma alimentação saudável e a prática regular de atividades físicas para que o ômega 3 possa atuar de forma benéfica no organismo.

O ômega 3 pode ser encontrado na linhaça, castanhas e nozes e em algumas espécies de peixes como salmão, atum, bacalhau, arenque, cavala e sardinha.

Atualmente, a maioria das pessoas seguem uma dieta deficiente em ‘gorduras boas’ e, por isso, o ômega 3 tem sido comercializado em cápsulas e vendido em lojas de suplementos e farmácias.

As principais atuações do ômega 3 no organismo são:

SAÚDE CARDIOVASCULAR – atua regulando os níveis de colesterol e pressão arterial. Previne o acúmulo de gordura nas artérias e auxilia nos processos inflamatórios.

GESTANTES, CRIANÇAS E IDOSOS – participa do desenvolvimento e formação do cérebro desde a fecundação até os 5 anos de idade, prevenindo assim doenças degenerativas no futuro como o Mal de Alzheimer e Parkinson.

FUNÇÃO IMUNE – atua melhorando a função imunológica e respostas do organismo.

É preciso ter a orientação de um médico ou nutricionista para que seja consumida a quantidade ideal, a fim de proporcionar o benefício esperado.

.

Christiane Rocha Veloso

Nutricionista da Clinlife

CRN/MG 8158

 

ALIMENTOS QUE AJUDAM A EMAGRECER

Emagrecer: provavelmente você conhece alguém que fez essa promessa no começo do ano. Mas por que será, a maioria não consegue cumprir? Talvez porque esteja buscando “pílulas mágicas”, esquecendo de que os melhores resultados podem até demorar mais tempo para aparecer, mas em compensação, duram mais e trazem a beleza verdadeira, a vitalidade e o equilíbrio de que nosso corpo precisa. Estamos falando do “poder” dos alimentos naturais.

Uma coisa é verdade: é cada vez maior o número de pessoas obesas e com sobrepeso, que têm ou provavelmente um dia vão ter problemas sérios de saúde se continuarem nesse ritmo. Só que infelizmente a maioria não consegue chegar ao peso saudável, talvez porque ainda esteja procurando a tal da “pílula do emagrecimento rápido”, que na verdade não existe.

É claro que existe um milhão de possibilidades quando o assunto é descobrir as causas da obesidade. Mas uma coisa é real: a alimentação da maioria das pessoas está muito comprometida, falta a “comida de verdade”, aquela mais próxima da natureza, que traz os nutrientes e os benefícios de que o corpo precisa para se manter saudável e com o peso em dia.

E pra te ajudar a não entrar nessa, lá vão nossas dicas de alimentos naturais que dão uma força na hora de emagrecer com saúde e manter o peso saudável:

1. Linhaça: uma das maiores fontes de ômega-3, que é um ácido graxo antinflamatório. Em outras palavras, ele age nas regiões do corpo onde a gordura se acumula (o que já é um sinal de inflamação) na tentativa de ajudar a diminuir esse acúmulo;

2. Cúrcuma (açafrão da terra) e gengibre: também ajudam a colocar um freio na inflamação (lembrando que a obesidade é uma inflamação);

3. Couve, rúcula, escarola e outras folhas verde-escuras: são ótimas fontes de magnésio (mineral que compõe a clorofila, substância que dá a cor verde aos vegetais). O magnésio tem papel importantíssimo na hora de colocar a glicose dentro das células para gerar energia (ajudando a prevenir o diabetes), além de ajudar a evitar o acúmulo de gordura no corpo;

4. Espinafre e brócolis: fornecem naturalmente boas doses de ácido lipóico, substância que ajuda a dar a sensação de saciedade por reduzir a ação da grelina (substância produzida naturalmente pelo nosso organismo para estimular a fome na hora certa, mas que geralmente está além da conta no organismo de quem está muito acima do peso);

5. Abacate:  já ouviu falar que a obesidade sempre vem acompanhada por um monte de outros problemas? Pois é, um deles é o estresse, causado pelo excesso de cortisol que nosso corpo produz nessa situação. E é aí onde entra o abacate. Ele contém beta-sitosterol, substância que ajuda a diminuir o excesso de cortisol e o desejo por doces. Mas cuidado com a quantidade: 2 a 3 colheres (sopa) por dia de abacate geralmente são suficientes;

6. Feijões, ervilha, soja, milho, grão de bico e outros grãos integrais: além de terem baixa carga glicêmica (fundamental para quem quer saúde e um peso saudável), fornecem boa parte das vitaminas e minerais que participam de praticamente todas as funções do organismo, inclusive da queima do excesso de gorduras.
Curiosidade: quando os grãos são refinados industrialmente, eles perdem não apenas as fibras e o gérmen, mas também a maioria das vitaminas e minerais, como o magnésio, por exemplo (mineral fundamental para frear o ganho excessivo de peso): 80% dele vai embora no refinamento. Motivos de sobra para preferir os grãos integrais, certo?

7. Castanha do brasil e amêndoa: ótimas fontes de magnésio (que, como vimos antes, é essencial para quem quer perder o excesso de gorduras). De quebra, a castanha do pará ainda traz outra preciosidade: o selênio, mineral antioxidante importante para o bom funcionamento da tireóide (glândula que controla o metabolismo e que ajuda a trazer o corpo para o peso ideal);

8. Arroz integral: contém triptofano, aminoácido que ajuda na produção da serotonina, o neurotransmissor que favorece a sensação de bem-estar e de quebra ainda reduz a compulsão por carboidratos.

Bom, já deu pra ver que incluir esses alimentos naturais no seu dia-a-dia vai ser satisfação garantida. Mas queremos te lembrar também que para atingir um peso saudável é fundamental fazer outras mudanças como praticar atividade física regularmente e manter uma boa alimentação. Para isso, procure orientação de um educador físico e de um nutricionista funcional.

LEMBRE-SE: um alimento pode ser um remédio para uma pessoa e um veneno para outra. Respeite a individualidade bioquímica!

O que é o treinamento em circuito?

O treinamento em circuito foi idealizado por R. E. Morgan e G. T. Adamson, em 1953, na Inglaterra e é considerado uma das melhores opções para quem quer emagrecer de forma saudável e definitiva, caso seja praticado com regularidade.

Um dos benefícios desse tipo de treinamento físico é que pode ser praticado em qualquer idade, desde a infância, como recreação, até a terceira idade, sendo indicado também para pessoas obesas, como parte do processo de emagrecimento.

O circuito consiste em uma série de diferentes exercícios, dispostos em estações, de forma que o praticante executa um exercício após o outro durante um tempo determinado, dando pequenos intervalos. O tipo de treino e sua intensidade serão determinados pelo profissional de acordo com os objetivos do praticante e seu nível de condicionamento físico.

Uma das maiores características desse tipo de treino é sua versatilidade e o dinamismo, pois o praticante poderá experimentar diversas modalidades no mesmo dia de treino, como por exemplo, exercícios de musculação, corrida, ciclismo, step, ginástica, entre outros, utilizando diversos materiais como cones, arcos, bolas, elásticos, colchonetes e etc.

O treinamento em circuito deve ser indicado para pessoas que gostam de aulas dinâmicas e que gostam de variar os exercícios. Pode ser indicado também para pessoas que procuram a melhora do condicionamento físico geral, o desenvolvimento de diversas habilidades físicas, emagrecimento, fortalecimento muscular, melhorar o equilíbrio, dentre outros objetivos.

Outros benefícios do treino em circuito são:

• Pode ser realizado em qualquer lugar (praias, praças, parques, bosques e também lugares fechados como quadras e salas de ginástica);
• Pode ser praticado individualmente ou em grupo;
•Os resultados são percebidos rapidamente.

O treino em circuito é uma grande tendência e a sua prática cresce devido as suas diversas possibilidades e ao seu resultado rápido (quando praticado com regularidade).  Experimente!

Para iniciar qualquer tipo de exercícios físicos é necessário passar por um médico e ser acompanhado por um educador físico, que é o profissional adequado para ensinar os exercícios físicos.

Flávia Ferreira Simão

Educadora Física

CREF 015957-G/MG

Recupere o ritmo de dieta

Depois de um Natal e Final de Ano repletos de guloseimas, comidas pesadíssimas e saborosas, muito exagero, chegou a hora de retornar à dieta e manter firme a caminhada rumo a um peso mais saudável.

O grande detalhe é que mesmo tendo obtido um sucesso com a dieta conseguindo grande perda de peso, depois das comilanças de fim de ano o controle corporal obtido com os dois meses anteriores de dieta se esvaiu.

Afinal, quem faz dieta sabe que o cérebro precisa ser educado constantemente durante e depois da perda de peso. O famoso “pensamento gordo” existe e é fruto de milênios de evolução. Nosso cérebro aprendeu, com os longos períodos de fome e escassez, que deve comer sempre o máximo possível e o mais frequentemente também. Quando fazemos uma dieta e perdemos muito peso, temos que continuar mantendo os novos hábitos alimentares por, pelo menos, dois anos após a meta ter sido atingida. Caso isso não seja feito, engordamos mais rapidamente e acabamos mais gordos do que começamos; é o famoso “efeito sanfona”.

Exatamente por isso, toda aquela disciplina e saciedade foram perdidas com os excessos de fim de ano e devem, agora, ser construídos novamente. A grande chave é abusar dos alimentos sacietógenos (que dão saciedade). Pois, mesmo mais calóricos, eles ajudarão a criar no cérebro a sensação de saciedade por mais tempo e garantirão a manutenção do “pensamento magro”.

Abuse dos alimentos sacietógenos:

- as proteínas são o nutriente mais sacietógeno. Devem fazer parte de pelo menos 3 refeições no dia, sob a forma de derivados do leite desnatado e de carnes e presuntos magros.

- os carboidratos devem ser integrais. São cheios de fibras, aumentando a saciedade.

- um exemplo: um café da manhã enriquecido com uma banana e um quarto de um abacate garantirá uma manhã sem fome até o intervalo da manhã.

Para que o inchaço também não faça parte da sua rotina após as comemorações, algumas estratégias para estimular o rim são super válidas, já que ele é o órgão de desintoxicação e equilíbrio do organismo.

Troque os lanches entre o café da manhã e o almoço – e o almoço e o jantar – por dois sucos diuréticos. Anote aí:

- Suco (1): 3 xícaras de melancia picada + suco de 1 lima da Pérsia + 10 folhas de capim limão + 1 copo de água gelada + 2 cubos de gelo

- Suco (2): 1 rodela grande de abacaxi + 10 folhas de hortelã + 1 xícara de chá de cavalinha gelado + 2 cubos de gelo

Não se esqueça que é mais uma nova etapa da escalada e mais um ano em busca de um objetivo de vida mais saudável.

 Déborah Pessoa de Mendonça

Nutricionista Clinlife

CRN:6854

Cuide bem do seu corpo e sua mente!

Tendo em vista a busca pela qualidade de vida através de uma vida equilibrada não conseguimos pensar em cuidar do corpo sem também ter um cuidado com a nossa mente. Compreender o corpo como um todo é perceber que devemos dar atenção a todas as dimensões da vida da pessoa e compreender que uma influencia na outra. Desta maneira observamos de muitas maneiras o nosso corpo manifestar nossos sentimentos e emoções e vice versa.

Muitas doenças de fundo emocional são estudadas desde muito tempo pela psicologia, a psicossomática fala sobre a ligação mente x corpo. Uma doença psicossomática e somatização se referem a aspectos diferentes do mesmo ponto: a influência da mente sobre a saúde de nosso corpo. Quando uma pessoa diz que alguém está somatizando está se referindo sintomas físicos mesmo não havendo uma doença física, sendo a causa destes sintomas um fator emocional.

Já no caso do termo doença psicossomática a causa é psicológica, porém a pessoa apresenta as alterações clínicas, detectáveis por exames de laboratório, portanto o corpo da pessoa está tendo danos físicos que chamamos de doença psicossomática. Se trata de uma doença física, que tem uma causa psicológica. A doença apareceu no corpo, por exemplo como uma alergia. Assim é necessário que a pessoa busque ajuda de um psicólogo e também do médico.

Diversos sentimentos e necessidades, medos, raiva, depressão, ansiedade, fobias, angustia, enfim, todo sofrimento emocional debilita a pessoa como um todo. A psicoterapia possibilita que varias questões que estão encobertas sejam trabalhadas, aprendendo a reagir à “agressão” manifestada no corpo e controlar a doença.

Situações estressantes, em qualquer fase da vida são capazes de desencadear uma doença psicossomática. O corpo adoece e as vezes a pessoa não consegue se dar conta que tem uma ligação com os problemas que está atravessando, mas corpo e mente sempre andam juntos. Nunca devemos nos esquecer que as emoções também falam através do corpo e dos sintomas, portanto um sintoma pode ser um grande sinal de alerta. Fique atento!

Petrina Gomes de Lima

Psicóloga Clinlife

CRP 04/28095

Tenha uma alimentação adequada no Verão

   

Muita gente passa o ano inteiro se preparando para o verão, principalmente com uma alimentação mais restrita e aliada aos exercícios físicos. Mas os cuidados devem permanecer na estação mais quente do ano, especialmente com o que se come.
Outro cuidado, é com o que se bebe. Quem não consegue ingerir muita água pode optar pelos sucos. E atenção para quem não dispensa aquela cervejinha no fim do dia: “bebida alcoólica é caloria vazia, engorda e não traz nenhum benefício“.

Devemos sempre optar por alimentos leves, de fácil digestão e ricos em água, como saladas, frutas, sucos, smothies, legumes refogados, peixes, carnes magras, dentre outros. Devemos ter cuidado com frituras, alimentos industrializados ricos em sódio, excesso de carboidratos. Enfim, devemos ter uma alimentação rica em vitaminas e minerais. Temos que ter cuidado com o excesso de sal pois no calor a tendência à retenção hídrica é maior e com o excesso de sal isso só piora, sem falar nos danos que o excesso de sódio causa para a saúde. Temos que buscar ingerir mais sucos, chás e água para repor a água e minerais perdidos pela transpiração. Pode utilizar também os “suchás”, que são sucos feitos com chás.

Temos que ter bastante cuidado com alimentos muito pesados e de difícil digestão, isso porque o organismo precisa de energia para manter a temperatura do corpo estável e não deve perder essa energia com a digestão. Isso faz com que a digestão fique lenta e a temperatura do corpo instável. Devemos ter uma maior atenção com alimentos que estragam facilmente e podem gerar intoxicações alimentares, como maionese, creme de leite, ostras cruas, salpicão, entre outros.

Lembre-se que o Verão quer ver você saudável!!

 

 

Junia Rodrigues

Nutricionista Clinlife

CRN   3683

Para emagrecer tem que ter disciplina!

           

 

            Mais um ano novo se inicia, 2014 vem aí e junto com ele vem as velhas promessas de ter mais disciplina e emagrecer no novo ano que vem por aí. Então vamos falar sobre essa questão tão importante que é a disciplina! 

            Desenvolver disciplina deve ser algo feito devagar, nada de sair se atropelando por aí, em busca de desenvolvê-la. Sendo assim, fica a pergunta: Como desenvolver essa habilidade tão importante e fundamental para a realização de perder alguns quilos? Certas pessoas dizem que basta ter força de vontade, mas colocar a disciplina em prática não é tão simples como parece na teoria. Quem é disciplinado, quando pensa em desistir, reforça as energias trabalha para realizar seu objetivo mais ainda. Já que nem não é tão disciplinado, pode-se se tornar através de bastante treino; assim segue algumas dicas para desenvolver a disciplina:

            A primeira dica é: nada de se auto-enganar! É preciso aceitação e encarar os problemas em vês de ignorá-los achando que vão desaparecer sozinhos. Para ter disciplina é necessário primeiramente aceitar que você precisa melhorar. Para ter disciplina para emagrecer, a primeira etapa é aceitar que você esta com excesso de peso. Parece simples, mas é mais difícil do que parece. Você tem que ter convicção de que precisa melhorar nesse aspecto e ter consciência de que a disciplina o ajudar, ou seja, é preciso visualizar o problema, aceita-lo e enfrentá-lo.

            A segunda dica é: ter força de vontade! Quando aceita que existe um problema a ser solucionado, você se enche se vontade de começar a resolvê-lo? E depois de um curto tempo, acaba desistindo? O que aconteceu é que você foi tomado de uma força de vontade e você usou para atacar o problema! Até aí tudo bem, mas, essa força de vontade é escassa e acaba acabando muito rápido. O melhor caminho a seguir é usar desse impulso para atacar as causas e os agravantes do problema ou então o problema em si, ou seja, se quer perder peso e esta com tal empolgação aproveite para adaptar o ambiente a sua volta, tirando do armário doces e tudo que pode te tentar a desviar do caminho as dieta mais tarde. Aproveite essa força de vontade e compre comida saudável, se inscreva em algum programa de emagrecimento e afins. Usando assim, sua força de vontade de maneira inteligente.

            A terceira dica é: trabalho duro! Depois de preparar o terreno é hora de trabalhar! Não pensando que esse trabalho vai ser algo doloroso ou desconfortável. E sim passar a vê-lo como um desafio para o sucesso; aprendendo a aproveitar e gostar de desafios, não pensando só na parte ruim, e sim nos frutos que depois vai render. Uma maneira de auxiliar nessa nova fase é a criação de novos hábitos. Para desenvolver a disciplina é importante darmos bastante importância a este trabalho, porque se não tiver atenção pode-se por tudo a perder.

            E por fim: persista! Persistir é proceder com suas ações independentemente de suas emoções! Reflita bastante sobre o problema para este ser resolvido; mantenha-se focado e trabalhando em busca do seu ideal. Dessa maneira você mantém resultados e se automotiva. Desistir também é parte do processo, quando necessário. Se tal sonho já não faz mais parte de suas prioridades, não dá pra trabalhar duro. Sentir que não era o que esperava ou o objetivo não faz mais sentido, desista. Sem se sentir culpado. E tome partido para um próximo objetivo!

 

Um feliz 2014 cheinho de disciplina!

 

Adrielle Ferreira

Psicóloga Clinlife

CRP: 04/38423.

PRESENTEANDO BONS HÁBITOS !!!

 

Quando pensamos em Natal, logo vem à cabeça palavras como confraternização, tempo de paz, de alegria, de presentear, de reunir família e amigos e celebrar com uma grande festa. Para os mais religiosos, o Natal também tem seu significado Bíblico, comemoramos o nascimento de Jesus e a renovação de nossas esperanças.

Ao confraternizar, queremos dividir nossas alegrias com as pessoas mais próximas a nós e o presentear, se torna uma forma simbólica de celebrar esse momento.

Sempre que presenteamos alguém, queremos ver aquela pessoa feliz, satisfeita com o que ganhou e, é claro, queremos que aquele presente agregue algum valor à vida dela e que lhe seja útil de alguma forma.

Satisfação – utilidade – agregação de valores – felicidade

Objetos concretos se traduzindo em sentimentos abstratos; esta é a definição de presentear para muitos de nós.

Mas podemos transmitir satisfação, valores, felicidade e sentimento de utilidade de inúmeras outras formas. Com um beijo, um abraço, uma palavra de carinho, um gesto de amor, uma presença e por que não dizer, bons exemplos!!!

Já que “palavras arrastam montanhas, mas os exemplos movem o mundo.” , que maneira melhor de presentear um amigo ou um familiar querido? Vamos ser o exemplo que pode move-los em direção aos bons hábitos. Pensando na reeducação alimentar, como uma aquisição, uma opção, de vida, por que não oferecer uma ceia mais saudável na noite de Natal? Vergonha, medo de ser ridicularizado, “não é porque eu estou de dieta que eu tenho que obrigar as pessoas a comerem o que eu como”?

Você as estará presenteando, colaborando para a implantação de uma nova forma de vida, estará agregando valores, satisfazendo-os com um cardápio mais saudável, porém igualmente saboroso. Porque comidas saudáveis não são sinônimos de alimentação sem graça e/ou pouco saborosa. É necessário que esta lhe traga também prazer, por isso quantidade e qualidade devem ser avaliadas na hora de preparar e servir a ceia de natal.

Então vamos presentear nossos entes queridos e contagiá-los com nossos exemplos.

Um Bom Natal a Todos!!!

Iana Pechir e Thais Martins

Psicólogas Clinlife