Qualidade de vida na Menopausa

Menopausa é o nome que se dá à última menstruação espontânea da mulher. Para que esse diagnóstico seja fechado, é necessário que a mulher fique um período igual ou maior a 12 meses sem a menstruação. O período da vida que antecede e precede a menopausa é chamado climatério.

Nessa fase, os ovários deixam de produzir os hormônios estrogênios e progesterona, de forma gradativa até perderem de vez a capacidade de funcionar. A mulher então deixa de ter a capacidade reprodutiva. Há também uma diminuição de outros hormônios como testosterona, DHEA, pregnenolone e Melatonina. Fazendo com que a mulher se sinta fadigada, com menos energia, desanimada, desmotivada, com dificuldade de concentração, diminuição da libido, e sono leve.

Não é uma doença, é apenas um estágio na vida da mulher. No entanto, ocorrem diversas modificações no organismo feminino nessa fase que podem predispor o aparecimento e o agravamento de várias doenças.

A principal característica da menopausa é a parada das menstruações. No entanto, em muitas mulheres, a menopausa se anuncia por irregularidades menstruais, menstruações mais escassas, hemorragias, menstruações mais ou menos frequentes.

Não existe idade predeterminada para a menopausa. Geralmente ocorre entre os 45 e os 55 anos, no entanto, pode ocorrer a partir dos 40 anos sem que isso seja uma anormalidade. É dita menopausa precoce quando ocorre espontaneamente ou por cirurgia antes dos 40 anos.

Algumas mulheres sentem poucos sintomas durante o período da menopausa, a maioria porém, sente muitos sintomas e apresentam alguns sinais:

– ondas de calor;
– suores noturnos;
– insônia;
– menor desejo sexual;
– irritabilidade;
– depressão;
– ressecamento vaginal;
– dor durante o ato sexual;
– diminuição da atenção e memória.

Estes sintomas variam de uma pessoa para a outra. Quando os hormônios diminuem, são observadas alterações na pele e curvas da mulher. Isto acontece porque a falta de colágeno leva à perda de elasticidade da pele e dos vasos sangüíneos, com redução da massa muscular e aumento de gordura corporal localizada.

A queda do estrógeno também leva a um aumento das taxas de colesterol e triglicérides que, por sua vez, pode levar ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Ocorre, ainda, um prejuízo na captação e absorção de cálcio pelos ossos levando à osteoporose.

Sintomas vasomotores – Marcados por episódios súbitos de sensação de calor na face, pescoço e parte superior do tronco, com duração de meio a cinco minutos, geralmente acompanhados de rubor facial, sudorese, palpitações cardíacas, vertigens e fadiga muscular.

Durante a crise a temperatura da face chega a subir 5 graus centígrados em relação ao resto do corpo. É o sintoma mais característico e frequente do climatério, cerca de 75 % das mulheres queixam-se das limitações impostas por ele. Em cerca de 80% dos casos os sintomas persistem por mais de um ano; e, em 25%, por mais de cinco anos.

Sintomas psíquicos – A redução dos níveis de estrógeno e progesterona interfere na liberação de neurotransmissores essenciais para o funcionamento harmonioso do sistema nervoso central. Como consequência, muitas mulheres queixam-se de irritabilidade, labilidade emocional, choro descontrolado, depressão, distúrbios de ansiedade, melancolia e alterações do humor

Exercícios: um grande aliado no climatério

Não há quem conteste os benefícios que a prática de exercícios ao longo da vida proporciona. As mulheres que mantém uma vida saudável, ou seja, cuidam da alimentação, freqüentam seu médico periodicamente e praticam exercícios, com certeza enfrentam com maior tranqüilidade as etapas da vida.

Os exercícios contribuem para a redução de doenças cardiovasculares, peso corpóreo e, principalmente, para aumentar a formação óssea, prevenindo a osteoporose, doença comum nas mulheres menopausadas. Eles são benéficos graças a sua atuação na tração dos músculos sobre os ossos, favorecendo a formação óssea tanto em pessoas jovens quanto em idosas.

Não existe uma atividade mais indicada. Nada adianta iniciar algo que se tornará um suplício. O que se busca é saúde com prazer e motivação. E nada mais prazeroso do que uma atividade física adequada à cada perfil. É importante lembrar que, antes de iniciar qualquer programa de atividade física, a mulher deve consultar seu médico e fazer uma avaliação.

Dieta alimentar:

Deve-se eliminar a ingestão de alimentos que influenciam negativamente a biodisponibilidade do cálcio, funcionando como verdadeiros “ladrões de ossos”, como café em excesso (são admitidas no máximo duas xícaras por dia), assim como as fibras dietéticas, o ácido fítico encontrado em farelos e o ácido oxálico.

Recomenda-se limitar a ingestão de alimentos com alto teor de colesterol para 300 mg por dia e reduzir a ingestão calórica de gorduras de 40% para 30%. E que as calorias provenientes de gorduras saturadas não superem 10%. Torna-se fundamental que a mulher no climatério mantenha uma dieta de 1g de cálcio por dia, para evitar perda de massa óssea.

Modulação hormonal e hormônios bioindênticos:

A modulação Hormonal é o método que, através de exames laboratoriais, determina-se o perfil hormonal da mulher, detectando suas necessidades hormonais, e a partir deste ponto, podemos iniciar um programa de equilíbrio metabólico para que ela atinja um padrão hormonal compatível com uma vida saudável e mais agradável.

A Modulação Hormonal com Hormônios Bioidênticos consiste em um extraordinário avanço terapêutico, e permite obter resultados clínicos seguros e incomparáveis. Os hormônios Bioidênticos são substâncias que tem a estrutura molecular tridimensional exatamente igual à dos Hormônios Humanos, obtidos através da engenharia genética recombinante. Por esta razão, ocupam os receptores de Hormônios das células com a mesma exatidão do Hormônio Humano e, ao serem repostos e absorvidos pelo organismo, são prontamente reconhecidos pelas células provocando o que chamamos de “resposta terapêutica fisiológica”, não só isenta de riscos de câncer, como, na verdade, capaz de reduzir de forma substancial os riscos de alguns tipos de câncer como o colorretal, do útero e o da mama.

Objetivos:
– Reduzir, parar e, em alguns casos, reverter os processos degenerativos da menopausa;
– Restaurar os níveis de energia;
– Restaurar a vitalidade;
– Otimizar a performance sexual;
– Aumentar a massa muscular;
– Acelerar o metabolismo;
– Aumentar o metabolismo cerebral;
– Elevar a capacidade físico-respiratória;
– Obter máxima qualidade de vida.

Com todo esse amparo, a menopausa pode ser vista e vivida como mais uma fase da vida. Que, como todas as outras, possui suas especificidades e seus cuidados. O importante é se cuidar para minimizar os sintomas e curtir cada momento com muita alegria e disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *