Saiba como prevenir as patologias no esqueleto humano

A grande incidência de patologias no esqueleto humano se deve ao fato de pensarmos que ele não sofre alterações estruturais durante a vida. O aumento dos casos de osteopenia, osteoporose, raquitismo, osteomalácia, entre outras tantas doenças que podem acometer o sistema esquelético são provas dessa falta de atenção com esse sistema tão importante do nosso organismo.

O esqueleto é um sistema que oferece pontos de fixação para os músculos (conferindo a possibilidade de movimento), suporte para os tecidos moles, proteção para muitos órgãos vitais e serve como fonte de reserva de minerais (como cálcio, sódio e potássio) que podem ser mobilizados e redistribuídos conforme a necessidade do organismo. Além disso, possui a função formar as células do sangue.

Mesmo depois da calcificação, os ossos do esqueleto sofrem modificações de acordo com a necessidade do organismo. Para isso, os minerais constituintes do osso são durante todo tempo depositados e/ou absorvidos do mesmo. As principais formas com que isso ocorre é através da pressão exercida sobre ele e contra ele, hormônios e nutrição.

O estímulo de pressão no osso (força gravitacional e/ou funcional) é um dos que mais contribuem para o aumento da densidade óssea. Dessa forma, o tipo e a quantidade de estímulos que proporcionamos ao esqueleto no dia a dia serão determinantes no aumento da densidade mineral óssea. Do contrário, caso não exista esses estímulos, os minerais do osso começam a ser levados para exercer outras funções no organismo.

Praticar exercícios físicos de média / alta intensidade é uma barata e eficiente forma de estimular o aumento da densidade óssea durante toda a vida, porém exercícios de baixa incidência da gravidade não demonstraram um bom efeito no aumento da densidade mineral óssea (exemplo: natação). Exercícios, atividades físicas de lazer e de locomoção, podem contribuir para aumentar e preservar a densidade mineral óssea independentemente da idade.

O estrógeno, hormônio sexual feminino também tem um papel importante na manutenção da densidade mineral óssea, observa-se que em mulheres no período da menopausa tem uma redução na quantidade de estrógeno e consequentemente na densidade mineral óssea. Nesses casos, geralmente o médico recomenda a reposição hormonal. A terapia de reposição hormonal tem o objetivo de aumentar a absorção e reduzir a excreção urinária do cálcio (efeito principal do estrógeno) aumentando a densidade mineral do osso.

A alimentação é um outro importante fator que vai interferir no aumento da densidade óssea, principalmente se for elaborada em conjunto com a atividade física. O consumo de cálcio e vitamina D (necessária para a absorção do cálcio) deve ser adequado para dar suporte à formação de osso advinda de um programa de exercícios físicos. A literatura sugere que o consumo de 1g a 1,5g de cálcio por dia seja suficiente.

A prevenção das doenças no esqueleto humano deve começar desde o início da vida e perdurar durante a vida adulta e na terceira idade. Manter a saúde dos ossos é tão importante quanto cuidar de qualquer outro sistema do organismo. Por isso não deixe pra curar o que você pode prevenir. Pratique exercícios físicos, cuide da sua alimentação e viva com mais qualidade de vida por toda a vida.

Flávia F Simão

Educadora física Clinlife

CREF: 015957-G/MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *