Te amo porque preciso de você ou preciso de você porque te amo?

Está é uma pergunta que poucas pessoas se fazem, até mesmo por achar que a troca de lugar das palavras não altera muita coisa. Mas para as pessoas mais atentas a diferença é gritante, pois de um lado temos a escolha e do outro a dependência. Nestes casos a dependência é denominada como emocional. A dependência emocional acontece quando uma pessoa acredita necessitar do outro para ser feliz, para se sentir bem, para se sentir amada, para tomar suas próprias decisões. Estas características têm gradações afinal não vivemos isolados no mundo.  Pode ser um sofrimento leve e quase imperceptível ou até um transtorno mental que exige tratamento. O começo da mudança acontece quando a pessoa consegue perceber e valorizar. Como diz Osho: “Se você é capaz de ser feliz quando está sozinho, você aprendeu o segredo de ser feliz”.

Alguns sinais de uma pessoa dependente emocionalmente:

  Não consigo / Não mereço

 A crença que gera a  sensação de não conseguir ou não merecer, podem se fazer presentes nas seguintes situações:  tomar decisão sem ter alguém para lhe dar dicas, achar que não merece uma oportunidade, não ir ao médico sem acompanhante, não vestir uma roupa sem questionar se sua amiga usaria a mesma coisa, considerar que qualquer objeto de luxo jamais lhe ficaria bem, etc.

   Influencia do sentimento de culpa

 É possível que o dependente emocional não tenha recebido em sua formação oportunidades de treinar a independência. Pais que super protegem podem passar, inconscientemente, a informação de que o filho é incapaz  de escolhas ou decisões, e que nunca conseguirá fazer nada sozinho. Há várias formas de proteção que podem atrapalhar o desenvolvimento da independência, uma delas pode ser o costume de fazer tudo pelo filho, arrumar seu quarto, guardar seus brinquedos, não dar nenhuma responsabilidade a ele, etc.

Pais que consideraram o filho frágil também poderão passar, mesmo que não tenham a intenção, a mensagem de que  jamais conseguirão, e nem merecem, realizar coisas bacanas em suas vidas podem colaborar para a formação um futuro adulto “muito humilde” ou neste caso um dependente emocional, que precisará constantemente de pessoas que lhe digam que fazer como por exemplo: Iniciar amizades, paquerar, compras, cursos interessantes, uma carreira de alto nível, etc.

  Personalidade dependente

 Haverá casos onde os pais não tiveram participação nesta dependência emocional, mas por características de personalidade da própria pessoa ela terá comportamentos dependentes. Ainda assim pode haver formas de mudar estes pensamentos limitantes.

 Amigos mantêm a dependência?

 Acredito que não haja nada mais reconfortante do que ter um amigo com quem podemos contar e que conta também conosco. Mas, às vezes, ser sempre o “ponta firme” do amigo pode contribuir para a manutenção da dependência emocional. Se o dependente emocional não usar as oportunidades oferecidas pela vida, mesmo que aos poucos, para colocar suas opiniões e desejos pode manter esta dependência, pois a cada ajuda recebida pode vir a informação de que ele não consegue realizar as coisas por si mesmo.

Thais Martins Santos

Psicologa da Clinlife

CRP 04 24 638

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *