Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica

          O Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) é um transtorno da alimentação que se caracteriza por ingestão de grande quantidade de alimento, em um período de tempo delimitado, associados à perda de controle sobre a qualidade e quantidade de comida ingerida, sentimentos de angústia subjetiva, nojo, vergonha e culpa por não ter o autocontrole sobre o alimento, conflito de convivência social e isolamento, não acompanhados de comportamentos compensatórios dirigidos para a perda de peso.

          A maioria das pessoas com TCAP tem uma longa história de repetidas tentativas de fazer dietas e sentem se desesperados acerca de sua dificuldade de controle da ingestão de alimentos. Alguns continuam tentando restringir o consumo de calorias, enquanto outros abandonam quaisquer esforços de fazer dieta, em razão de fracassos repetidos. Costumam se autoavaliar, principalmente em função de seu peso e forma do corpo, e frequentemente apontam “traços” de personalidade como baixa autoestima, perfeccionismo, impulsividade, pensamentos dicotômicos (do tipo “tudo ou nada”, ou seja, total controle ou total descontrole). Evidenciam maior comprometimento no trabalho e nas relações sociais e apresentam sofrimento relativo a esse comportamento recorrente, tendo sua vida pessoal comprometida em virtude dessa enfermidade.

          Devido à condição multifatorial do TCAP, o tratamento deve basear se na avaliação médica e deve ser abordada por uma equipe multidisciplinar, com a equipe mínima composta por médico, psicólogo e nutricionista. Para pacientes com TCAP sem associação com outros transtornos psiquiátricos, como quadros depressivos e/ou ansiosos, ou comorbidades clínicas (obesidade, diabetes mellitus, hipertensão, entre outros), o tratamento de escolha é o psicoterápico.

          O tratamento deve ser dirigido para a diminuição e remissão dos episódios de compulsão alimentar e o restabelecimento das atitudes alimentares e a melhora da relação com os alimentos e com o corpo.

Dra Marciane Almeida Bertoli

 

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *