Você se percebe ou vive no automatismo?

 Acordar cedo, tomar banho, tomar café da manhã (ou simplesmente pular essa parte), se arrumar, ir trabalhar…voltar, dormir e recomeçar!

 Você já parou pra pensar em cada coisa que faz durante o dia?

Consegue perceber cada passo que dá, ou simplesmente faz tudo no automático?

 Você consegue se lembrar o que tomou no café da manhã? Conseguiu perceber algo novo durante o trajeto que fez ao trabalho? Ou nem sequer se lembra como chegou ao trabalho, tamanho o “hábito” de ir sem ao menos se dar conta.

 Ultimamente, a sobrecarga do dia não nos deixa perceber como estamos fazendo as coisas. A correria acaba fazendo com que façamos tudo no automático, chegando ao final do dia exaustos e sem percebermos como fizemos aquilo que tínhamos que fazer. Simplesmente fizemos e pronto!

 A maioria das pessoas vive com o “piloto automático” ligado e não presta atenção na maioria das coisas que faz no dia.

 Só que devemos nos lembrar que as “coisas” que fazemos durante o dia e nem damos conta é uma parte da nossa vida que estamos deixando de lado.

 Quantas vezes nos envolvemos em discussões durante as refeições e nem apreciamos o cheiro, o sabor do alimento ou mesmo a companhia de alguém querido.

Quantas vezes estamos nos dirigindo para o trabalho e ficamos tão envolvidos com os pensamentos que perdemos a chance de apreciar uma paisagem bonita, uma flor em meio ao asfalto, o azul do céu !

 É claro que é muito difícil manter-se conectado o tempo todo, mas a experiência é válida e com a prática vai se tornando cada vez mais natural.

A vida é alegre e vibrante, composta por inúmeros pequenos prazeres aos quais temos direito e acabamos por não desfrutar, por conta de vivermos no “automático” tempo demais. Ou então “acelerado no 220” que nem percebemos o que se passa ao nosso redor.

 Essa desconexão também é uma fuga, porque se estamos mais atentos sentiremos tanto o prazer como o desprazer.

 Ao nos tornarmos pessoas atentas, ampliando a nossa capacidade de percepção, passamos a ter um controle maior sobre nossas decisões. Logo, se eu percebo um sentimento de desprazer, eu posso optar por mudar o meu caminho, por mudar o meu pensamento, por mudar a minha atitude e assim, evitar o que me causaria essa sensação incômoda.

 O estado de maior consciência potencializa o nosso controle sobre os acontecimentos da vida, faz com que nos sintamos mais vivos e bem dispostos.

 Como dizia o poeta: “Se estiver abraçando alguém, abrace de verdade. Se estiver sorrindo, sorria com o corpo todo; se for dançar, dance sem se preocupar com o que os outros vão dizer; se for executar uma atividade, se concentre no que estiver fazendo, sempre presente e consciente”.

 O melhor que podemos fazer é para agora, não para amanhã. A certeza que temos é somente do agora, o depois pode ser tarde demais.

 Viva, perceba-se, sinta-se e não desperdice a si mesmo!

 Cristiane Froes

Psicóloga Clinlife

CRP: 35.330

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *