Você tem medo de emagrecer?

 

Você já parou para pensar o que te impede de alcançar algum objetivo? Sim, propor-se entrar na caminhada do emagrecimento também é conseguir estabelecer uma meta, é superar desafios, é conhecer-se melhor, é conquistar um desejo. Sem esse conjunto de planejamentos, talvez não haja grandes sucessos.

Que os sentimentos estão aí para serem sentidos, todos nós sabemos. Mas e quando eles paralisam? E quando eles dominam? O medo é um desses sentimentos que todos nós temos receio de sentir. O legal é conseguirmos compreender que o medo pode tanto ser benéfico, quanto também pode ser maléfico. E, mais uma vez, a gente volta ao ponto: autoconhecimento é tudo! Precisamos, antes de qualquer coisa, saber identificar o quão esse sentimento torna-se desnecessário.

A dificuldade de mudança está muito interligada com o medo. A grande parte das pessoas repetem um conjunto de práticas comportamentais e emocionais  que provocam dependências tanto bioquímicas, quanto relacionais (mesmo não tendo consciência disso). Essas também são algumas das causas da dificuldade de mudanças, incluindo o sucesso de um desejo ou necessidade de emagrecer. Assim, as vezes nos tornamos viciados em uma infinidade de emoções e comportamentos, mesmo sem nos darmos conta.

Dentre os medos existentes, temos alguns exemplos como o medo do surgimento da flacidez, medo de mudanças significativas na vida, medo da aceitação de amigos e parentes com os novos hábitos alimentares, medo de enfrentar uma imagem corporal mais atraente (podendo causar ciúmes ou desavenças nas relações), medo de perder um grande auxílio prazeroso, afinal comer é visto como uma fonte de prazer. Dentre tantos outros.

“Perder peso implica em reestruturar a nova imagem corporal, reconstruir os vínculos sociais e interpessoais, buscar novos significados para as relações amorosas, reeducar o organismo em uma outra configuração bioquímica e buscar um sentido de prazer e satisfação de vida mais abrangente do que os obtidos pela ingestão de alimentos. Ou seja, em qualquer mudança de vida pretendida várias crises e síndromes de abstinência poderão surgir, provocando dor e sofrimento. Emagrecer não é tão fácil como se imagina e na maioria das vezes é necessário muita ajuda, principalmente a psicológica, e é um grande desacerto acusar quem não está obtendo sucesso de preguiçoso ou incapaz, porque existem uma infinidade de mecanismos físicos, bioquímicos e psíquicos que entram em estado de alarme e reagem prontamente a qualquer experiência de fome ou sentimento de perda, inevitáveis em qualquer dieta de emagrecimento”. (Filho, W.M., 2011).

Invista em conhecer seus sentimentos, eles podem te dizer muita coisa!

Mayara Baltar – Psicóloga Clinlife

CRP01/16374

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *